Tempo
|
A+ / A-

Comunidade Judaica do Porto "não mais tem interesse" em colaborar na certificação de judeus sefarditas

13 mar, 2022 - 18:45 • Redação

Mesmo assim, a Comunidade garante que continuará a "desenvolver-se em todas as suas dimensões estatuárias".

A+ / A-

A Direção da Comunidade Judaica do Porto (CIP/CJP) diz que "não mais tem interesse" em colaborar com o Estado na certificação de judeus sefarditas, segundo um comunicado enviado à Renascença.

A CIP/CJP relembra uma proposta, apresentada durante a legislatura do Governo de Passos Coelho, no sentido de ser constituída uma comissão internacional para colaborar nesta certificação, dando a entender que terá de ser este o caminho a seguir.

Mesmo assim, a Comunidade garante que continuará a "desenvolver-se em todas as suas dimensões estatuárias".

No mesmo comunicado, a Direção garante que só recebeu o valor de 250 euros de Roman Abramovich "o que ninguém conseguirá refutar".

A CIP/CJP aponta, ainda, que "é uma autoridade religiosa reconhecida pelo Rabinato-Chefe de Israel, com todas as competências para cumprir tal missão, dado que ser judeu é uma genealogia, algo que ninguém parece compreender em Portugal".

O rabino da Comunidade Israelita do Porto e um membro da direção da comunidade são suspeitos de quatro crimes: trafico de influência, fraude fiscal e branqueamento e falsificação de documentos.

Este sábado, o Expresso noticiou que também está a ser investigada a atribuição da nacionalidade portuguesa ao dono da Altice, Patrik Drahi.

Sobre o processo que envolve o multimilionário russo Abramovich, o comunicado adianta ainda que foram ontem entregues às autoridades provas documentais.

Tópicos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+