Tempo
|
A+ / A-

"A guerra é o falhanço da política e da Humanidade", diz o Papa

25 fev, 2022 - 19:11 • Redação

Francisco pede apela ao fim do conflito no Leste da Europa e pede orações para a Ucrânia.

A+ / A-

A guerra é o falhanço da política e da Humanidade, defendeu esta sexta-feira o Papa Francisco, que pede orações para a Ucrânia.

"Cada guerra deixa o nosso mundo pior do que estava antes. A guerra é o falhanço da política e da Humanidade, uma vergonhosa capitulação, uma pungente derrota diante as forças do mal", escreveu o Papa na rede social Twitter.

O apelo aos líderes mundiais acontece horas depois de Francisco ter realizado uma visita à embaixada da Rússia junto da Santa Sé, numa altura em que tropas de Moscovo invadem a Ucrânia, com vítimas e milhares de deslocados.

Uma nota da Sala de Imprensa do Vaticano confirma que o Papa Francisco esteve na manhã desta sexta-feira na embaixada da Rússia junto da Santa Sé, “evidentemente para exprimir a sua preocupação com a guerra” na Ucrânia. Foi uma deslocação breve, de apenas meia-hora, até ao edifício que fica na rua principal do Vaticano, a Via della Conciliazione.

Esta foi mais uma iniciativa do Papa, que tem multiplicado os apelos à paz naquela região e que já convocou uma Jornada de Oração e Jejum para a próxima quarta-feira, 2 de março.

Na quinta-feira o Secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, considerou que “ainda há tempo para a boa vontade”, que é preciso regressar às negociações para travar a escalada do conflito e poupar o mundo “da loucura e dos horrores da guerra”.

“Nós, crentes, não perdemos a esperança” em relação aos que “têm nas mãos os destinos do mundo. E continuamos a rezar e a jejuar – faremos isso na próxima Quarta-feira de Cinzas – pela paz na Ucrânia e no mundo inteiro”, sublinhou o cardeal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+