Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Haiti. Gangue ameaça matar missionários se não receber resgate

22 out, 2021 - 14:42 • Filipe d'Avillez

Foram raptados 12 adultos e cinco crianças norte-americanos, mais o condutor do autocarro. O líder dos 400 Wawozo promete meter “uma bala na cabeça” de cada um se não receber 17 milhões de dólares.

A+ / A-

O líder do gangue que raptou 17 missionários e seus filhos, mais o condutor do autocarro que os transportava, promete matá-los caso não receba os 17 milhões de dólares que está a exigir para os libertar.

Num vídeo publicado nas redes sociais Wilson Joseph, líder do gangue 400 Mawozo, aparece vestido de fato roxo, chapéu na mão e uma cruz ao peito e dirige-se diretamente ao Presidente do país, Ariel Henri e ao chefe da polícia, Léon Charles, a quem acusa de terem matado cinco dos seus “soldados”.

“Vocês fazem-me chorar. Eu choro água. Mas a vocês vou fazer-vos chorar sangue. Matar cinco dos meus soldados não significa que irão destruir o meu exército”, diz.

“Meus senhores, juro pelos trovões que se não obter o que estou a pedir, meto uma bala na cabeça de cada um destes americanos”, termina.

Quase uma semana depois do rapto já se sabe em maior detalhe quem são os norte-americanos raptados pelos 400 Mawozo. Ao todo são 17 pessoas, incluindo 16 americanos e um canadiano. Há homens e mulheres entre os raptados e cinco crianças, com idades entre os oito meses e os 15 anos. A estes soma-se o condutor do autocarro, um haitiano.

Os missionários estavam a regressar da visita a um orfanato quando o autocarro foi desviado e todos os ocupantes raptados. O grupo pertence a uma organização chamada Christian Aid Ministries (CAM), que tem a sua sede no Ohio, nos EUA. A CAM é financiada em larga medida por membros das comunidades amish e menonitas, que vivem sobretudo em locais rurais nos Estados Unidos e no Canadá.

Seguidores do ramo anabatista do Cristianismo, que defende, entre outras coisas, o batismo apenas de adultos, estes cristãos tendem a rejeitar tecnologia moderna e procuram viver vidas tranquilas, dedicadas sobretudo à agricultura e trabalhos manuais. A Christian Aid Ministries é uma das formas que encontram de pôr em prática o mandamento de evangelização e caridade que toca a todos os cristãos.

A imprensa americana informa que as autoridades americanas estão a colaborar com as forças haitianas para tentar assegurar a liberdade dos raptados, mas não foram divulgados detalhes sobre as operações.

O Haiti tem sido marcado por anos de crise social e económica, com grandes níveis de pobreza agravadas por desastres naturais. Só na primeira metade do mês de outubro foram raptadas 119 pessoas, segundo o Centro de Análise e Pesquisa de Direitos Humanos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+