Tempo
|
A+ / A-

Congregação pede orações pela libertação de freira raptada no Congo

13 jul, 2021 - 17:43 • Ana Lisboa

Região oriental do país tem sido palco de grande instabilidade e violência revela a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre.

A+ / A-

A congregação As Filhas da Ressurreição pede orações pela "rápida libertação da irmã Francine, raptada em Goma, na região de Kivu do Norte, na passada quinta-feira, 7 de julho”. O pedido foi transmitido pela fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS).

A religiosa "tinha ido ao mercado fazer compras e não regressou", explicaram parceiros locais da AIS, acrescentando que, "até ao momento, desconhece-se exatamente quem são os autores do sequestro, se bandidos ou membros de algum dos grupos ligados aos rebeldes e que lutam na República Democrática do Congo, apesar da igreja local já ter sido contactada para o pagamento de um resgate".

A região oriental deste país africano tem sido palco de enorme instabilidade e violência "por causa da atuação das milícias armadas num contexto muito complexo de conflitos étnicos, mas também deslocamento de populações e acesso a matérias-primas. Num passado recente acrescentou-se a isto ainda um poderoso elemento islâmico radical".

Esta situação tem sido denunciada pela Igreja através dos bispos das seis dioceses que compõem a província eclesiástica de Bukavu, indica esta Fundação.

Ainda recentemente, numa conferência vídeo com Portugal e os outros secretariados internacionais da Ajuda à Igreja que Sofre, o bispo Paluku Sekuli Melchisédech, referiu haver um "número de incidentes particularmente elevado na parte norte da diocese", responsabilizando "grupos armados" que têm vindo "a destruir escolas e hospitais".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+