Tempo
|
A+ / A-

Patriarca iraquiano teme que país se torne “um campo de batalha”

05 jan, 2020 - 11:54 • Filipe d'Avillez

O cardeal Louis Sako pede que a atual situação de tensão entre o Irão e os Estados Unidos seja resolvido pela diplomacia e implora a Deus o regresso a uma “vida normal” no seu país.

A+ / A-

O Patriarca da principal igreja cristã no Iraque, o cardeal Louis Raphael Sako, teme que o seu país se transforme num “campo de batalha” entre americanos e o Irão.

Num comunicado publicado no site do Patriarcado da Igreja Caldeia, uma Igreja católica de rito oriental, o cardeal diz que os iraquianos “ainda estão em choque com o que aconteceu esta semana”, referindo-se à morte do general Qassem Soleimani, morto por um ataque aéreo americano junto ao aeroporto de Bagdad. Soleimani era uma das principais figuras do regime iraniano e coordenava várias milícias xiitas em diferentes países da região, incluindo no Iraque.

Segundo Sako as pessoas “têm medo de que o Iraque se transforme num campo de batalha, em vez de uma pátria soberana capaz de proteger os seus cidadãos e riquezas”.

O líder católico, cujo título oficial é Patriarca da Babilónia, pede que a tensão entre o Irão e os Estados Unidos seja resolvida à volta da mesa, numa reunião em que todos possam dialogar de forma razoável e civilizada, poupando assim o Iraque a “consequências inesperadas”.

O comunicado termina com o apelo a Deus para que “conceda ao Iraque e à região a ‘vida normal’ pacífica, estável e segura que ansiamos”.

As declarações do cardeal Sako surgem pouco depois de um dos seus bispos auxiliares, Shlemon Warduni, ter expressado, em entrevista à Rádio Vaticano, a preocupação dos cristãos com a situação local.

“Todos têm medo que estamos a caminho de uma guerra e isso seria uma coisa terrível, porque a família iraquiana já está espalhada por todo o mundo, um filho neste país, um filho naquele, e por aí adiante. Não temos paz, é por isso que só queremos +az e tranquilidade”.

“O mundo inteiro está de pernas para o ar. Em vez de semear a paz semeia-se o ódio. Agradecemos ao Santo Padre, mas pedimos ao mundo inteiro que reze, que volte a Deus. Isto é o mais importante, porque afastando-se de Deus, todo o mal possível é feito”, afirmou o bispo.

Da parte do Irão também chegam vozes de preocupação da pequena e antiga comunidade cristã. Em entrevista, novamente à Rádio Vaticano, o núncio apostólico Leo Boccardi disse que “o conflito tem de ser rejeitado” para que se possa pegar “nas armas da justiça e boa-vontade”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+