A+ / A-

Legislativas 2024

Pedro Nuno Santos diz que a direita é uma "bagunça"

21 fev, 2024 - 02:00 • Lusa

O secretário-geral do PS considera que direita no Governo teria consequências na estabilidade económica e social do país.

A+ / A-

Veja também:


O secretário-geral do PS, Pedro Nuno Santos, disse esta terça-feira que a direita é uma "bagunça" e o seu principal adversário nas eleições de 10 de março, Luís Montenegro, de não ser capaz de liderar o seu campo político.

"Há uma certeza que nós temos, o PS conseguirá proporcionar ao país estabilidade, estabilidade política. A direita não pode dizer o mesmo: Luís Montenegro não é capaz de liderar o seu campo político, Luís Montenegro não consegue liderar a direita em Portugal", sublinhou.

Discursando num comício em Faro, na terça-feira à noite, o líder dos socialistas acusou a direita de ser uma "bagunça", acrescentando que, caso fosse eleita, poderia ter consequências na estabilidade económica e social do país, na execução do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e na imagem externa de Portugal.

"André Ventura quer Luís Montenegro, Luís Montenegro prefere Rui Rocha, Luís Montenegro e Rui Rocha não querem André Ventura. A direita é a bagunça, só que essa bagunça teria consequências em Portugal se por acaso eles tivessem a vitória", afirmou.

Referindo-se ao debate político com Luís Montenegro realizado na segunda-feira, o líder do PS acusou o seu adversário de mentir sobre o corte nas pensões e de impreparação, pois mostrou que não sabe quanto custa o programa eleitoral do PSD.

"O líder do PSD mostrou que não sabe sequer quanto custa o seu programa. Pois nós voltaremos a repetir: são 16.500 milhões de euros de perda de receita fiscal em quatro anos, são 23.500 milhões de euros o buraco orçamental do programa do PSD", sublinhou.

Pedro Nuno Santos acusou ainda o líder do PSD de irresponsabilidade orçamental, por prometer o que sabe "que não é possível, enganando o povo mais uma vez".

À chegada, o líder do PS foi recebido na Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve por um grupo de algumas dezenas de polícias, que assobiaram e sopraram apitos voltando-se de costas para a comitiva do PS, em sinal de protesto.

Durante os cerca de 40 minutos de discurso, o dirigente socialista falou dos principais desafios que a região do Algarve enfrenta, nomeadamente, em matéria de saúde, educação e habitação, além da situação grave de seca.

Por fim, Pedro Nuno Santos defendeu a ligação da linha ferroviária do Algarve ao corredor mediterrânico, conseguindo que se chegue de França e de Espanha ao Algarve por comboio, prometendo também resolver o litígio das obras na Estrada nacional (EN) 125.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Timbo Caspite
    21 fev, 2024 Lisboa 12:59
    Olha só Pedro Nuno Santos a dizer que um está sujo já que próprio está mal lavado. Já há uns 10 anos que o PS está no poder e sua pasta no governo é uma das mais críticas. Estamos sem escola, sem professores, sem sistema de saúde, sem investimentos sérios em infraestrutura, geração de emprego, sem moradia e agora sem segurança pública. O que será que o PS quer melhorar no país? Quais as promessas deste mal lavado para Portugal: afundar ainda mais o barco? Chega de promessas, mentiras e manutenção do poder.
  • Anastácio José Marti
    21 fev, 2024 Lisboa 12:33
    A Direita pode ser uma bagunça mas será que a Esquerda não é igual ou pior? Quem tem telhados de vidro que atire a primeira pedra vidro. Todo e qualquer político antes de falarem dos outros devem ver- se ao espelho, e alguém como o atual Secretário Geral do PS, cujo partido esteve mais de oito anos no poder, que permitiu que a Assembleia da república aprovasse a Lei nº 5/2022, a qual lhe impôs um prazo de 6 meses para ser regulamentada e demoraram 14 meses a fazê-lo, com a desonestidade intelectual de exigirem aos trabalhadores DEFICIENTES que detivessem pelo menos 80% de incapacidade há pelo menos 15 anos, como se algum ser humano, com um grau de incapacidade tão elevado, se aguentasse a trabalhar durante pelo menos 15 anos, o mesmo PS que apesar do seu então Secretário Geral ter afirmado várias vezes em nome de Portugal que ninguém ficaria para trás, ainda hoje, no Ministério que um tutelou e o outro tutela existe pelo menos um trabalhador DEFICIENTE LICENCIADO, que continua a ser impedido de evoluir profissionalmente por ser, dia após dia, impedido de ingressar na carreira de Técnico Superior pelo Estado, ainda querem mais e maior bagunça do que este triste, indignante mas real exemplo que aqui vos deixo?

Destaques V+