A+ / A-

Augusto Santos Silva "perplexo" com detenções na Madeira

14 fev, 2024 - 22:57 • Pedro Mesquita

O despacho do juiz de instrução diz que não há indícios da prática de crimes. O Ministério Público vai recorrer da decisão, enquanto que a defesa se congratulou com a decisão.

A+ / A-
Augusto Santos Silva ouvido pelo jornalista Pedro Mesquita

O presidente da Assembleia da República declara-se “perplexo” com a detenção, durante 21 dias, do presidente da Câmara do Funchal, na Madeira - que se demitiu entretanto - e de mais dois arguidos, quando afinal, o juiz de Instrução conclui que os elementos da acusação não justificavam a privação da liberdade.

Em entrevista à Renascença, Augusto Santos Silva sublinha que é preciso fazer uma reflexão muito profunda - na próxima legislatura - sobre as condições, em seu entender demasiado fáceis, com que se priva da liberdade os cidadãos, em Portugal.

O presidente da Assembleia da República recorda outros casos, como as buscas à sede do PSD, à casa de Rui Rio, mas também os meses já passados desde o parágrafo da Procuradoria Geral da República que levou António Costa a apresentar a demissão, sem que exista noticia de qualquer desenvolvimento.

Não há indícios de qualquer crime. Os três detidos das investigações na Madeira saíram em liberdade, com termo de identidade e residência, nesta quarta-feira, depois de 21 dias detidos. Assim, o antigo presidente da Câmara do Funchal, Pedro Calado, o líder do grupo de construção AFA, Avelino Farinha, e o principal acionista do grupo Socicorreia, Custódio Correia, vão aguardar julgamento em liberdade. O Ministério Público vai recorrer da decisão do juiz de instrução, enquanto que a defesa se congratulou com a decisão.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+