Tempo
|
A+ / A-

Mortágua distancia-se do PCP na eutanásia e Ucrânia, Raimundo diz que voto útil é na CDU

11 fev, 2024 - 23:42 • Lusa

Em debate na televisão, líderes do Bloco e do PCP foram evidentes convergências em algumas áreas e também nas críticas ao PS.

A+ / A-

Veja também:


A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) aponta a eutanásia e a guerra na Ucrânia como divergências com o PCP, tendo o secretário-geral comunista defendido que "voto útil é na CDU" e que nunca faltará a nenhuma solução pós-eleitoral positiva para Portugal.

No debate que opôs este domingo na SIC Notícias a líder do BE, Mariana Mortágua, e o secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, foram evidentes convergências em algumas áreas e também nas críticas ao PS, desde logo quanto ao apelo de voto útil nos socialistas ou pelas propostas para a habitação, por não atacarem a raiz do problema.

Logo no arranque do frente a frente, questionada sobre o apelo de voto útil no PS feito pelo líder socialista, Mariana Mortágua criticou que, depois de uma maioria absoluta que terminou com a queda do Governo, Pedro Nuno Santos "venha fazer o mesmo apelo esfarrapado a uma nova maioria absoluta", algo que considerou "espantoso e incompreensível".

Já Paulo Raimundo defendeu que aquilo que se vai decidir nas legislativas antecipadas de 10 de março é a eleição de 230 deputados e, na mesma linha da líder bloquista, defendeu a ideia de que serão as maiorias que se formarem que vão decidir o futuro do país, considerando que "o voto útil é na CDU".

Num debate em tom cordial e sem interrupções de parte a parte, foi no momento em que foi pedido que fossem apontadas as divergências que a coordenadora do BE abordou dois temas que considerou separarem bloquistas e comunistas: a lei da eutanásia e as questões internacionais, como a guerra na Ucrânia e a natureza de regimes como o da China ou de Angola.

Na resposta, o secretário-geral do PCP considerou que a eutanásia é uma "situação muito complexa" e que, num país com as condições que tem Portugal, "levanta dificuldades e problemas" que podem ter resultados perversos, não dando o tema por encerrado.

Sobre a questão internacional, Paulo Raimundo focou-se na questão da paz e em como as forças que a defendem vão conseguir responder aos constantes apelos à guerra.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+