A+ / A-

Eleições Regionais nos Açores

“Eles que descalcem a bota”. PS pressiona Bolieiro a entender-se com o Chega

08 fev, 2024 - 06:30 • Tomás Anjinho Chagas

Socialistas não temem estratégia do PSD de colar PS ao Chega e contra-atacam com a mesma moeda. “Responsabilidade é do PSD”, socialistas não vão viabilizar governo de Bolieiro.

A+ / A-

O tabuleiro do xadrez político joga-se com pinças nos Açores e torna-se especialmente sensível por ser jogado em antecâmara das legislativas. O PSD venceu as eleições sem maioria e pressiona o PS a viabilizar a “maioria relativa” para não votar ao lado do Chega. Mas os socialistas não estão para aí virados.

“Não haja ilusões, o PS não viabiliza um Governo de direita”, disse Pedro Nuno Santos, secretário-geral do PS, na primeira reação à derrota na Região Autónoma. E provavelmente o caminho do PS/Açores vai ser esse. O secretariado regional vai reunir-se esta quinta-feira para decidir o que fazer nas próximas semanas”.

Nos Açores estamos habituados a pensar pela nossa cabeça e o Pedro Nuno Santos sabe disso”, frisa um dirigente do PS Açores à Renascença. Mas a posição do PS Açores e o Largo do Rato parecem ser convergentes: “ninguém se sentiu condicionado”, garante.

A ideia é mesmo passar a batata quente para o PSD e responder na mesma moeda. Para os socialistas, o PSD “tem a responsabilidade de formar Governo” e o PS pode lavar as mãos em relação ao futuro político nos Açores reduzindo-se ao papel de oposição.

Noutras palavras, os socialistas não vão acatar a estratégia do PSD, que tem colado o PS ao Chega caso inviabilizem a formação do governo açoriano encabeçado pela coligação PSD/CDS/PPM. “O povo entendeu que deveríamos ser oposição”, vinca este dirigente do PS.

Eles que descalcem a bota”, resume a mesma fonte à Renascença, acrescentando que foi o PSD e o Representante da República que deram tanta importância à estabilidade e a tornaram numa “condição sine qua non”.

Numa aritmética tão meticulosa, o PSD precisa pelo menos da abstenção do PS para viabilizar o futuro governo de José Manuel Bolieiro, ou então terá de virar-se para o Chega – já que os deputados do PSD somados aos da IL e PAN ficariam a um voto da maioria.

PSD espera para ver e não abre jogo

Na sede dos social-democratas esperam para ver. A bola está agora nas mãos do PS e a espectativa é perceber como é que os socialistas reagem a uma estratégia que até pode vir a ser replicada no continente.

Contactada pela Renascença, uma fonte do PSD Açores reitera que a ideia é perceber qual é o rumo definido esta quinta-feira pelo PS/Açores e não revela qual é o próximo passo.

No limite, se o PSD não quiser entender-se com Chega e não contar com a viabilização do PS, pode haver novas eleições. Um cenário de ingovernabilidade não está totalmente excluído, mas o PSD não revela – para já – que caminho vai tomar nas próximas semanas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+