A+ / A-

Eleições Regionais nos Açores 2024

PSD faz xeque-mate: Governo só cai se PS votar ao lado do Chega

05 fev, 2024 - 07:08 • Tomás Anjinho Chagas (nos Açores)

Bolieiro venceu eleições sem maioria absoluta e em vez de se coligar com o Chega coloca no PS a responsabilidade de derrubar o governo. Estratégia pode ser seguida nas legislativas.

A+ / A-

Queria ter maioria absoluta mas a fragmentação não deixou. José Manuel Bolieiro conquistou a primeira vitória eleitoral do PSD desde 1996 – na altura com Mota Amaral – mas ficou a três deputados com a maioria absoluta. E ao contrário de 2020, a aposta agora é encostar o PS à parede.

Ao chegar à sede do PSD em Ponta Delgada, Bolieiro foi engolido por uma multidão que abanava bandeiras laranjas e açorianas. Levantaram-no e atiraram-no ao ar como se faz aos treinadores depois de vencerem um troféu.

Já no interior do edifício, a frase de Montenegro levantou o véu sobre a estratégia: “Não obstante não haver uma maioria absoluta da coligação, só pode haver um governo alternativo a este se todas as outras forças políticas, e em particular o PS e o Chega, se unirem e coligarem

Ao conquistar 26 deputados na assembleia legislativa regional, a coligação PSD/CDS/PPM precisa de apoios parlamentares para viabilizar o programa de governo, caso contrário cai. Mesmo conseguindo convencer a Iniciativa Liberal e o PAN, José Manuel Bolieiro precisa de mais uma fatia do queijo limiano.

Ou seja, para a maioria absoluta os social-democratas teriam de se entender com o Chega, tal como aconteceu em 2020, mas ao invés, a estratégia mudou: quer governar em “maioria relativa” e deixar com o PS a responsabilidade de derrubar um governo liderado por um partido que venceu eleições.

A tónica de Bolieiro é essa: “Não se pode colocar as maiorias relativas em crise com coligações negativas na oposição. Se o fizerem, cada um assume a sua responsabilidade”, disse durante o discurso de vitória.

E em resposta aos jornalistas fala numa "bela memória" referindo-se à aprovação de um governo minoritário do PSD por parte do PS em 1996, indicando que idealmente esse seria o caminho de 2024.

Sabendo que o eleitorado português tende a castigar quem provoca instabilidade política, o PSD vai tentar afastar o fantasma do Chega atirando-o para o PS. Se os socialistas votarem contra o programa de governo ou tirarem o tapete a Bolieiro num orçamento regional, ficam com o peso de terem alinhado na “coligação negativa” em que está o Chega. E de inviabilizar um governo sem o Chega.

PS derrotado, Vasco Cordeiro posto

Para o PS a noite esteve longe de corresponder aos objetivos. Com a derrota agravada – em 2020 o PS foi o partido mais votado, mesmo não havendo maioria de esquerda – os socialistas podem estar perante um horizonte de quase oito anos de oposição na região autónoma.

Seria sempre muito tempo, mas o peso é agravado pelos Açores terem sido um bastião do PS nas últimas décadas. Vasco Cordeiro, que foi líder do governo regional entre 2012 e 2020 voltou a deixar escapar a vitória para Bolieiro e pode estar na iminência de abandonar a liderança do PS/Açores.

O secretário-geral do PS, Pedro Nuno Santos, esteve no arquipélago a fazer campanha mas isso foi insuficiente para os socialistas recuperarem o poder. A dinastia César pode estar de regresso e ser assumida por Francisco César, atual deputado do PS e filho de Carlos César.

Chega com vitória que pode ser amarga

Apesar de em termos absolutos o Chega ser o partido que mais cresce em relação a 2020, o partido de André Ventura pode vir a ser anulado pela estratégia do PSD.

Se até aqui o deputado regional, José Pacheco, tinha um papel preponderante na aprovação de orçamentos regionais, o PSD pode dar um abraço de urso ao Chega e reduzir o partido ao protesto.

Não obstante, o partido cresce de dois para cinco deputados regionais e torna-se inevitável na aritmética parlamentar açoriana.

Bloco de Esquerda, IL e PAN asseguram representação

Foi até à última. Os dirigentes do Bloco de Esquerda, Iniciativa Liberal e PAN perderam seguramente unhas ao acompanhar a noite eleitoral. Os três partidos estiveram até aos derradeiros minutos da contagem dos votos para assegurar representação parlamentar nos Açores e conseguiram-na no círculo de compensação (o último a ser apurado).

Apesar de manter a representação, o Bloco de Esquerda perde um deputado em relação a 2020. O PAN e a Iniciativa Liberal sobrevivem ao manter o deputado único. De fora volta a ficar a CDU que, mais uma vez, falhou a eleição.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Luiz
    06 fev, 2024 SANTO ANTÓNIO DOS CAVALEIROS 19:13
    Tal como o psd fez quando o PS ganhou as eleições anteriores???
  • ze
    05 fev, 2024 aldeia 11:18
    este psd ainda não compreendeu que sem o Chega não há governo.E não é estranho que na terra onde nasceu Bolieiro,ganhou o ps!.......

Destaques V+