Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Marcelo envia metadados para o Tribunal Constitucional

06 nov, 2023 - 19:16 • Ricardo Vieira

Presidente da República considera que, ao contrário da posição do TC, o novo diploma do Parlamento ainda permite a "recolha indiscriminada" de metadados para fins de investigação criminal.

A+ / A-

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, enviou o decreto da Assembleia da República sobre metadados para fiscalização preventiva do Tribunal Constitucional.

O diploma regula o acesso a metadados referentes a comunicações eletrónicas para fins de investigação criminal.

A decisão de Marcelo Rebelo de Sousa de enviar a lei dos metadados para o Tribunal Constitucional foi divulgada esta segunda-feira, através de um comunicado divulgado no site da Presidência da República.

"Por razões de certeza jurídica, o Presidente da República decidiu submeter a fiscalização preventiva de constitucionalidade o decreto da Assembleia da República que regula o acesso a metadados referentes a comunicações eletrónicas para fins de investigação criminal, nos termos do requerimento, em anexo, dirigido ao Tribunal Constitucional", refere a nota.

O decreto foi aprovado na Assembleia da República em votação final global em 13 de outubro, com votos a favor de PS, PSD e Chega e votos contra de IL, PCP, BE e Livre.

Marcelo Rebelo de Sousa considera que, ao contrário da posição do TC, o novo diploma ainda permite a "recolha indiscriminada" de metadados para fins de investigação criminal.

"Resulta da leitura das normas sindicadas que, não obstante ter sido reduzido o prazo para a conservação dos dados de tráfego, pode interpretar-se que se pode continuar a permitir a sua recolha indiscriminada, o que pode não se conformar com o decidido pelo Tribunal no acórdão citado. O Tribunal afirmou então que a recolha indiscriminada destes dados violaria, só por si, o princípio da proporcionalidade, perdendo relevância a apreciação dos demais elementos, entre os quais o prazo", sublinha o Presidente da República.

O chefe de Estado também pretende ver esclarecido "se a notificação ao visado, nos termos em que é prevista na nova redação do artigo 9º, satisfaz as exigências constantes do referido acórdão do Tribunal Constitucional, designadamente no que respeita ao princípio da proporcionalidade".

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+