Tempo
|
A+ / A-

Habitação. PCP diz que Governo podia ter agido e não "perder tempo a escrever cartas"

01 set, 2023 - 20:21 • Lusa

Líder comunista, Paulo Raimundo, falava no arranca da Festa do Avante!

A+ / A-

O secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, defende que, em vez de "perder tempo a escrever cartas" à União Europeia, o Governo devia ter tomado já medidas para enfrentar a crise da habitação.

"O Governo, em vez de estar a perder tempo a escrever cartas para a União Europeia, - espero que não tenha mandado pelos CTT, porque como isto está nunca mais lá chega - podia ter feito uma coisa simples, que é, aquilo que tem no seu poder, nas suas mãos, decidir", afirmou esta sexta-feira o líder comunista.

À margem da visita às exposições do Espaço Central da Festa do Avante!, pouco depois da abertura das portas do recinto, Paulo Raimundo foi questionado sobre a carta do primeiro-ministro à Comissão Europeia, pedindo que coloque o problema da habitação nas suas prioridades.

O secretário-geral do PCP elencou que o Governo podia ter implementado "uma moratória para os créditos, como aconteceu durante o período da [pandemia de] covid", podia "obrigar a Caixa Geral de Depósitos, que é um banco público, a fixar como limite 0,25 de spread nos créditos" e também "podia ter resolvido já ontem a decisão de fixar como aumento máximo das rendas para o próximo ano 0,43%", propostas que o partido tem defendido.

"Isto não precisa de nenhuma autorização da União Europeia, nem de um consórcio europeu para resolver", salientou, considerando que são opções que o executivo "Governo podia ter feito, pode fazer, deve fazer".

Defendendo que "tudo o que seja ajuda é bem-vindo, mas não vale a pena é soprar para cima", Paulo Raimundo apontou que o Governo "podia ter feito isso tudo e depois mandava a carta".

O jornal Expresso noticiou hoje que o primeiro-ministro enviou uma carta à presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, propondo que Bruxelas dê prioridade à procura de resposta para problemas como a habitação, a fuga de talentos ou a recuperação de territórios ardidos.

Questionado também sobre a notícia do jornal "online" Observador, que indica que o primeiro-ministro defendeu, no último Conselho de Estado, mudanças nas buscas judiciais aos partidos, o líder comunista apontou que "essa não é a matéria fundamental" que os portugueses enfrentam, nem "são as preocupações das pessoas", pois "não altera nada" na sua vida e no seu dia a dia.

Paulo Raimundo disse não ser "contra nem a favor" esta matéria, indicando que será necessário "ver no concreto qual é o texto" da proposta.

O comunista considerou existir "uma diferença brutal entre a propaganda, os anúncios e depois o concreto, a vida das pessoas", referindo que isso é visível "em todas as vertentes".

"Até com receio dessa situação, o melhor é nós não dizermos nada sem ver no concreto", ressalvou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+