Tempo
|
A+ / A-

​Manuel Alegre à Renascença

“Primeiro-ministro não está ferido de morte”

29 dez, 2022 - 17:00 • Pedro Mesquita , com redação

O histórico socialista defende uma coordenação mais eficaz no Governo e que passe a existir um critério mais rigoroso, e escrutínio, na escolha de titulares de cargos públicos.

A+ / A-
“Primeiro-ministro não está ferido de morte”, diz Manuel Alegre
“Primeiro-ministro não está ferido de morte”, diz Manuel Alegre

Manuel Alegre diz à Renascença que o primeiro-ministro, António Costa, "não está ferido de morte", na sequência do caso TAP e das demissões do ministro Pedro Nuno Santos e da secretária de Estado Alexandra Reis, mas é necessário uma grande reflexão.

O histórico socialista defende uma coordenação mais eficaz no Governo e que passe a existir um critério mais rigoroso, e escrutínio, na escolha de titulares de cargos públicos.

Nestas declarações à Renascença, Manuel Alegre - que já foi candidato à Presidência da República - assina por baixo a posição já assumida pelo presidente do PS, Carlos César.

“Revejo-me nas palavras que foram ditas pelo meu camarada e amigo Carlos César, que é preciso mais proatividade e atenção. É preciso uma grande reflexão e passar a haver um critério mais rigoroso na escolha dos titulares de cargos públicos, além de uma coordenação mais eficaz”

Questionado se o Governo está ferido de morte após dez demissões no espaço de apenas nove meses, Manuel Alegre considera que não.

“O Governo tem uma maioria absoluta, o primeiro-ministro não está ferido de morte, o primeiro-ministro tem todas as condições para tomar as medidas necessárias à continuação do Governo, mas agora com outra estabilidade e perspetiva”, apela o histórico socialista.

Manuel Alegre não comenta a demissão de Pedro Nuno Santos, conhecida na madrugada desta quinta-feira na sequência do caso da indemnização de 500 mil euros paga pela TAP à ex-secretária de Estado Alexandra Reis.

A Iniciativa Liberal vai apresentar uma moção de censura ao Governo, após a demissão do ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, anunciou hoje o líder do partido, João Cotrim de Figueiredo.

O PSD desafiou o primeiro-ministro a dar esclarecimentos ao país, após a demissão de Pedro Nuno Santos do Governo, distanciando-se contudo da iniciativa da Iniciativa Liberal.

“Doutor António Costa, o tempo não é de se esconder. O tempo é de responder (…). Nunca nos habituaremos a esta navegação à vista sem rumo. Nunca nos habituaremos a esta política de empobrecimento”, disse Paulo Rangel.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+