Tempo
|
A+ / A-

Ministro da Educação solidário com professores em greve

02 nov, 2022 - 19:20 • Manuela Pires , com redação

"Felizmente, temos um orçamento que tem crescido de uma forma consolidada. A percentagem do orçamento destinada aos recursos humanos tem-se mantido estável", afirma João Costa.

A+ / A-

O ministro da Educação, João Costa, diz que está solidário com os professores, que marcaram para esta quarta feira uma greve.

João Costa falava esta quarta-feira, no Parlamento, onde está a detalhar o Orçamento do Estado para 2023 na área da Educação.

“Obviamente, todos estamos solidários com quem reclama melhores condições de trabalho e vamos gerindo com responsabilidade e razoabilidade os sucessivos orçamentos”, declarou o ministro da Educação.

“Felizmente, temos um orçamento que tem crescido de uma forma consolidada. A percentagem do orçamento destinada aos recursos humanos tem-se mantido estável, o que significa que essa rubrica, que é uma resposta aos profissionais, tem crescido de forma consolidada ao longo destes últimos oito orçamentos”, salientou João Costa.

O ministro da Educação garantiu esta quarta-feira aos deputados que 86% dos professores estão já vinculados.

Questionado pelo PS, no Parlamento, no âmbito da discussão na especialidade do Orçamento do Estado, João Costa atualizou o número: mais de 18 mil docentes com vínculo ao Estado desde 2015.

O ministro da Educação, que para a semana vai reunir-se com os sindicatos de professores, anunciou que uma das propostas em cima da mesa é redimensionar os quadros de zona pedagógica.

Outra proposta para a negociação é vincular os professores nas regiões onde há mais falta de docentes, salientou João Costa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+