Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Jerónimo de Sousa e Catarina Martins fecham a porta a uma saída antecipada

01 fev, 2022 - 20:14 • Tomás Anjinho Chagas

Coordenadora do Bloco fugiu às perguntas em Belém, mas garantiu “cumprir o mandato por inteiro”. Líder comunista é taxativo e diz que a questão não se coloca.

A+ / A-

Em Belém, a tarde desta terça-feira destinou-se às audiências dos (novos) partidos mais pequenos. Marcelo Rebelo de Sousa recebeu o Livre, PAN, BE e PCP. A maioria absoluta conseguida pelo PS no domingo torna os diálogos com a esquerda pouco prováveis, como admitiu o próprio Jerónimo de Sousa, e, por isso, o tema das sucessões foi dominante nas declarações aos jornalistas.

Primeiro, foi Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda, que depois da audiência habitual audiência com o Presidente da República que acontece depois das eleições, tentou fugir à questão do futuro da liderança do partido.

“O tema hoje é a indigitação. As questões do Bloco de Esquerda são discutidas dentro do Bloco de Esquerda”, respondeu de imediato Catarina Martins.

Mas face à insistência dos jornalistas, a coordenadora do Bloco de Esquerda abriu o livro, e reforçou o que já tinha dito na noite eleitoral. “O Bloco de Esquerda não decide a sua direção de acordo com resultados eleitorais. Quem decide são os seus militantes, e eu cá estarei para cumprir o meu mandato por inteiro”.

Apesar de virar sempre as declarações para a audiência com Marcelo Rebelo de Sousa, Catarina Martins não conseguiu evitar o tema. “Sinto-me muito confortável com o mandato que os meus camaradas e as minhas camaradas me deram e que eu cumprirei”, frisou.

As vitórias e derrotas de uma noite de maioria
As vitórias e derrotas de uma noite de maioria

Depois da resposta curta, Catarina Martins usou a cartada da etiqueta institucional para encerrar o assunto. “Eu peço desculpa, eu sei que sou a última institucionalista, mas nós estivemos numa reunião com o Sr. Presidente da República em que isso não foi tema”.

Catarina Martins considera que Belém não é o local para discutir a vida interna do Bloco de Esquerda. “Neste momento parece-me que é indelicado, estamos na Presidência da República”. A coordenadora do partido remete mais declarações para o próximo sábado, data em que a direção nacional do Bloco de Esquerda vai reunir-se para discutir o resultado das eleições, que culminaram na perda de mais de dois terços do Grupo Parlamentar. De 19 deputados em 2019, o Bloco de Esquerda tem agora cinco.

Sucessão também não se coloca no PCP

Depois de ser ouvido o Bloco de Esquerda, foi a vez do PCP. Jerónimo de Sousa saiu da audiência com Marcelo Rebelo de Sousa para declarar que considera ser pouco provável que o PS queira entendimentos com os comunistas.

“Resultante dessa maioria absoluta onde o PS se senta confortado, naturalmente pode fechar possibilidades reais de convergência”, e o secretário-geral prossegue “Se se confirma o objetivo do PS de fugir à intervenção, proposta, ação e iniciativa do PCP na Assembleia da República, então essa via de convergência acaba por ficar mais estreita”.

Mas Jerónimo de Sousa foi também questionado sobre o futuro da liderança do PCP, depois do pior resultado de sempre dos comunistas nas legislativas. O secretário-geral sorriu com alguma ironia e respondeu: “Quero dizer com franqueza que já encontrei dez formas diferentes de dizer a mesma coisa. Em termos de síntese das sínteses: a questão não está colocada.”

A resposta de Jerónimo de Sousa surge no mesmo dia em que o Comité Central do PCP esteve reunido para avaliar os resultados das eleições.

Os comunistas perderam metade dos assentos parlamentares que tinham em 2019. Têm agora seis deputados e saem do Parlamento nomes como João Oliveira (antigo líder parlamentar) e António Filipe (um dos mais antigos deputados no Parlamento). As conclusões desta reunião do Comité Central são conhecidas amanhã.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+