Tempo
|
A+ / A-

Legislativas 2022

Resistir às "deturpações" e colagem ao Chega. Rio passou campanha no pingue-pongue com Costa

28 jan, 2022 - 13:14 • André Rodrigues

Campanha laranja correu os 18 distritos do continente e teve mais mobilização do que em 2019. Mas não conseguiu deixar de estar sempre na reação às investidas do PS.

A+ / A-

Veja também:


Não houve dia em que a palavra “deturpação” não tenha estado presente na campanha do PSD. Segundo Rui Rio, terá sido isso que “os homens do marketing que o PS resolveu contratar” terão aconselhado para chegarem à vitória.

E uma das deturpações que António Costa insistiu em trazer para a campanha, na opinião do líder social-democrata, foi o encostar do PSD ao Chega. Mas Rio foi analisar a forma como socialistas votaram no Parlamento nos últimos dois anos e a história parece ser diferente.

“Chega e PS votaram 1.180 vezes da mesma forma nestes dois anos”, anunciou num comício. “O PS não é o inimigo do Chega. Quantos mais votos houver no Chega, mais facilmente o Dr. António Costa continua como primeiro-ministro”, clarificou também.

Em balanço, poder-se-á dizer que a opção do PSD em não fazer campanha à noite deixou o líder socialista a falar sozinho durante várias horas sem contraditório. Rio prometeu não entrar em pingue-pongue, mas pela forma como a sua campanha foi desenhada não lhe restou outra alternativa.

Pontos positivos: mobilização das estruturas, tanto espontânea – nas zonas tradicionalmente PSD – como organizada, sobretudo nos distritos que costumam votar mais à esquerda.

E foi uma campanha que não cometeu deslizes. Talvez por isso tenha também sido uma campanha em crescendo: basta recordar que o PSD entrou com as sondagens colocando Rui Rio 10 pontos atrás de António Costa; duas semanas, depois está tudo em aberto.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+