Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Ana Gomes

Caso Sócrates. “O PS não pode eximir-se de assumir que foi instrumentalizado por um corrupto”

12 abr, 2021 - 06:33 • Eunice Lourenço

Ana Gomes defende mudanças na justiça, mas que não podem ser lideradas pelos operadores judiciais.

A+ / A-

A eurodeputada e ex-candidata à Presidência da República Ana Gomes considera que o PS tem de assumir que foi instrumentalizado por José Sócrates. No seu comentário semanal na SIC Notícias, a antiga dirigente socialista diz que a “cerca sanitária” que o partido montou à volta do antigo governante foi útil, mas não chega.

“Essa cerca sanitária, por muito eficaz nalguns aspetos que tenha sido, não basta, porque a questão é que o PS não pode eximir-se de assumir que foi instrumentalizado por um corrupto e não pode eximir-se de olhar para os meios que tem de nunca mais voltar a deixar que isso aconteça”, defendeu no domingo à noite.

“Essa cerca sanitária não basta e, para mim, esse refrão de ‘à justiça o que é da justiça’ não exime a própria política de fazer um julgamento político do que é que se passou”, acrescentou.

Quanto ao futuro da justiça e às lições a tirar do processo Marquês, Ana Gomes defendeu mudanças, mas considerou que não podem ser lideradas pelos operadores judiciais. E coloca também de parte pactos para a justiça que diz não servirem para nada.

No entender da eurodeputada socialista, Nuno Garoupa, que ensina Direito nos Estados Unidos, é uma das pessoas indicadas para coordenar uma reforma da justiça.

“Este era o momento, de facto, de os operadores políticos, com coragem, entregarem a alguém – por exemplo, o professor Nuno Garoupa – [a função de constituir] uma equipa com gente de todos os quadrantes, incluindo operadores da justiça para ver o que é preciso para modernizar”, afirmou.

Nuno Garoupa é um dos participantes regulares no programa Conversas Cruzadas, na Renascença, onde no domingo comentou o caso Sócrates e defendeu um modelo semelhante ao da audiência nacional de Espanha – um programa que pode ouvir aqui ou em podcast, na app da Renascença.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Leonor Nascimento Nascimento
    12 abr, 2021 Alhos Vedros 19:36
    Estou incrédula com o rumo do nosso Pais, quando assistimos a estes exemplos de justiça, ate fico com medo do nosso futuro. Afinal onde está o respeito pelos Portugueses cumpridores, e que exemplos transmitem? A impunidade de quem rouba milhos ganha, quando o juiz foi substituído por algum motivo foi, essa foi a minha opinião na altura, e continua ainda a ser neste momento. Que Deus nos ajude porque num pais de milagres bem que precisamos de um BEM GRANDE. Saúde para todos.
  • João
    12 abr, 2021 Viseu 11:54
    Agostinho de Hipona (354-430): «Um Estado que não se regesse segundo a justiça, reduzir-se-ia a um bando de ladrões».

Destaques V+