Tempo
|
Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, às 12h00, com reposição à segunda às 00h00.
A+ / A-
Arquivo
O megaprocesso disto tudo (2) - Conversas Cruzadas
O megaprocesso disto tudo (2) - Conversas Cruzadas

CONVERSAS CRUZADAS

O megaprocesso disto tudo (2)

11 abr, 2021 • José Bastos


Carvalho da Silva, Nuno Botelho e Nuno Garoupa na análise da leitura instrutória da Operação Marquês.

É ainda cedo, talvez ainda muito cedo para conclusões à volta da Operação Marquês que envolve nomes chave da elite política e económica em décadas. O Ministério Público vai recorrer do essencial do despacho de instrução do juiz Ivo Rosa e é possível que o Tribunal da Relação de Lisboa venha a insistir em algumas das acusações do MP agora derrubadas.

O primeiro-ministro de Portugal de 2005 a 2011, José Sócrates, inicialmente acusado de 31 ilícitos, vai assim a julgamento por três crimes de branqueamento de capitais e três de falsificação de documentos, os mesmos pelos quais Carlos Santos Silva está pronunciado. Dos 28 arguidos do processo, foram pronunciados apenas cinco, tendo sido ilibados, entre outros, Zeinal Bava e Henrique Granadeiro, o empresário Helder Bataglia e o ex-administrador do Grupo Lena Joaquim Barroca.

Dos 189 crimes constantes na acusação, só 17 vão a julgamento, mas o procurador Rosário Teixeira, responsável pelo inquérito, já anunciou que vai apresentar recurso da decisão do juiz para o Tribunal da Relação de Lisboa.

Sendo – lamentavelmente – cedo para conclusões, os argumentos e o tom usados pelo juiz de instrução para demolir a acusação do MP como, por outro lado, o (limitado) alcance da prova recolhida pela acusação são elementos merecedores de reflexão profunda.

Afinal, o simbolismo e a complexidade da Operação Marquês – a mais importante em décadas – confronta a justiça portuguesa com um conjunto de vulnerabilidades, disfuncionalidades e imperfeições orgânicas a reclamar uma reforma profunda, mais além do “tudo deve mudar para que tudo fique na mesma”.

A análise volta a ser de Nuno Garoupa, professor da GMU Scalia Law, Universidade de Arlington, Virginia, Nuno Botelho, jurista e presidente da ACP-Câmara de Comércio e Indústria do Porto e Manuel Carvalho da Silva, sociólogo e professor da Universidade de Coimbra.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.