Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Marcelo. "Portugueses querem uma democracia que respeita a Constituição democrática, não uma democracia iliberal"

25 jan, 2021 - 00:12 • João Carlos Malta

No discurso da vitória, o Presidente releito começou por prestar homenagem às vítimas Covid e não Covid e abriu a porta a uma revisão da lei, "antes de novas eleições", para ultrapassar "objeções ao voto postal e por correspondência". Marcelo promete ser o Presidente da união e estabilidade e diz que a confiança agora renovada é tudo menos um cheque em branco.

A+ / A-
O discurso de vitória de Marcelo Rebelo de Sousa
O discurso de vitória de Marcelo Rebelo de Sousa

Veja também:


Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que não interpretou o votos dos portugueses como "um cheque em branco" e diz que tem de continuar a ser um Presidente de todos e de cada um dos portugueses.

No discurso de vitória para o segundo mandato, numa Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa só com jornalistas na assistência, Marcelo acredita que os resultados desta eleição mostram que os portugueses querem um Presidente da República como um ator político "que não seja contra os maus, que não seja de facção, que respeite o pluralismo e a diferença e que nunca desista da justiça social”.

Numa eleição em que teve mais 100 mil votos do que há cinco anos (2.533.799 votos), Marcelo reconheceu que houve uma “abstenção elevada” embora evidenciasse “a subida significativa do voto absoluto em relação há cinco anos”. Agradeceu ainda aos que mais se sacrificaram para que a democracia não fosse vencida pela pandemia.

E mais uma vez tentou ler a mensagem dos resultados. “Os portugueses, ao reforçarem o seu voto, querem mais e melhor em proximidade, em convergência, estabilidade, construção de pontes, exigência e justiça social e, de modo mais urgente, em gestão da pandemia. Desse sinal tirarei devidas ilações”.

Os portugueses, na leitura do Presidente reeleito, querem mais luta contra corrupção e combate à pobreza, desigualdade e exclusão, bem como estabilidade política, com “governação forte, sustentada e credível” e “alternativa também forte, para que a sensação de vazio não convide a desesperos e aventuras”, alertou.

Marcelo pede revisão legislativa

Noutra vertente, o Presidente defende a necessidade de uma revisão legislativa antes de novas eleições, “daquilo que se concluiu dever ser revisto”, e também para que se possa avançar com a possibilidade do voto por correspondência.

Marcelo abre assim a porta a uma mudança na lei eleitoral. “ [Uma] revisão antes de novas eleições o que deve ser revisto para ajustar a situação como a vivida e para ultrapassar objeções ao voto postal e por correspondência que tanto prejudicaram votantes, em particular os nosso compatriotas pelo mundo, insistirei para que seja acolhido“.

O chefe de Estado afirmou ainda ter “a exata consciência de que a confiança agora renovada é tudo menos um cheque em branco”.

Com muitas referências à gestão do combate ao novo coronavírus, Marcelo acredita que os portugueses “não querem um pandemia infindável, uma crise sem fim à vista, um recuo em comparação com outros países, uma radicalização e um extremismo nas pessoas nas atitudes na vida social e política”.

Ao mesmo tempo, pensa que o povo deseja "uma pandemia dominada o mais rápido possível, uma recuperação do emprego”.

No final do discurso, o inquilino do Palácio de Belém referiu que ter como Presidente “alguém que pertence a um grupo de risco” é demonstrativo de que “estamos todos unidos”.

Numa das muitas referências à luta contra a Covid-19, que considera ser "o mais urgente do urgente" ,disse que a pandemia é “mais um combate daqueles muitos que em quase nove séculos foram o melhor da História de Portugal e mais um combate que, custe o que custar, vamos vencer”.

Por fim, terminou o discurso como fez no mesmo local em 2016: “Que acima de uns e de outros, sem separar uns e outros, viva Portugal”.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • pedro
    25 jan, 2021 portalegre 11:38
    O Ventura já se demitiu? E vai receber a subvenção eleitoral ou só se preocupa com os subsídios dos pobres? Subvenção eleitoral correspondente a 450 mil votos, isso dá quantos RSIs? Deve abdicar, deve...Afinal o Ventura é um subsídio-dependente desde que o Estado pagou abono de família aos seus progenitores.

Destaques V+