Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Saída da PGR. "Governo abriu porta à entrada do Presidente da República no debate"

09 jan, 2018 - 19:54

É a opinião do director da revista "Sábado". Eduardo Dâmaso receia que saída de Joana Marques Vidal afecte megaprocessos.

A+ / A-

O director da revista "Sábado", Eduardo Dâmaso, acredita que as declarações da ministra da Justiça sobre o fim do mandato da procuradora-geral da República “exprimem aquilo que é a posição do Governo nesta matéria”. Essas declarações obrigarão o Presidente da República a tomar uma posição sobre o tema, diz.

“O procurador-geral da República é nomeado pelo Presidente, sob proposta do Governo. É um poder partilhado. A parte correspondente ao Governo vem clarificar que, do seu ponto de vista, não é do seu interesse a continuidade da PGR”, afirma Dâmaso, ex-director do "Correio da Manhã".

"Acima de tudo, [estas declarações] abrem porta à entrada do Presidente da República no debate. Não uma entrada para, formalmente, expor esta ou aquela opinião, mas porventura para desenvolver alguma magistratura de influência, se for o caso”, entende o jornalista, que interpreta a decisão de Francisca Van Dunen de tomar uma posição pública sobre o tema como não tendo sido “a mais avisada”.

Em entrevista à TSF, a ministra da Justiça defendeu a não renovação do mandato de Joana Marques Vidal.

Eduardo Dâmaso defende a continuidade da procuradora, faz uma avaliação positiva do seu trabalho e advoga a necessidade de estabilidade devido aos grandes processos ainda em curso.

“Penso que, nesta fase que atravessamos, dada a natureza do mandato e dado os dossiês sensíveis que estão ainda em cima da mesa, acho que seria do mais elementar bom senso renovar o mandato”, advoga o jornalista.

“Joana Marques Vidal encontrou um Ministério Público em pantanas. O mandato do doutor Pinto Monteiro foi desastroso, muito polémico, e de conflito permanente com as estruturas internas do Ministério Público […]. Joana Marques Vidal, aos poucos, foi arrumando a casa”, acredita o jornalista.

Questionado sobre as potenciais consequências de uma mudança na Procuradoria-geral da República, Eduardo Dâmaso entende que uma mudança pode interferir nos megaprocessos em curso, em especial na “soma de processos do caso BES e de Ricardo Salgado”, uma vez que “necessitam de uma mobilização de meios e diálogos complementares entre várias estruturas da justiça”. “Esse diálogo foi conseguido e esses meios foram obtidos”, defende o jornalista.

"Muito mais activa do que o antecessor"

O jornalista da Renascença Francisco Sarsfield Cabral também faz uma avaliação positiva do trabalho da procuradora.

“Admito que seja até saudável, em teoria geral, que haja somente um mandato. Cunha Rodrigues esteve lá 16 anos, era muito competente, sabia muita coisa, mas abriu muito poucas investigações”, argumentou o jornalista, que entende que o facto de “haver muitos processos judiciais só diz bem da procuradora”.

“Joana Marques Vidal mostrou-se muito mais activa do que o seu antecessor, Pinto Monteiro, e hoje são arguidas pessoas destacadas do PS, como é o caso de [José] Sócrates, e um ministro do PSD [Miguel Macedo]”, defende o jornalista, que olha com bons olhos para o facto de se terem verificado “avanços significativos na investigação do crime económico, uma área muito difícil de investigar e de provar, sobretudo para magistrados que não tinham formação económica”.

“Acho que é uma pessoa que deixa uma marca positiva e oxalá que quem vier a seguir seja tão bom como ela”, remata Sarsfield Cabral.

Procuradora do caso Sócrates fica "fragilizada"
Procuradora do caso Sócrates fica "fragilizada". Opinião de Graça Franco, directora de Informação da Renascença
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • couto machado
    11 jan, 2018 Porto 19:49
    Tudo isto cheira a maçonaria. Mete nojo mas como não há nada que fazer, é para aguentar.
  • fanã
    10 jan, 2018 aveiro 18:38
    Certo ...é , com Joana , com Francisca ou seja com quem for , os tubarões podem continuar a caçar nas aguas calmas da nossa Justiça . Atrás das grelhas é que não ficam !
  • lx
    10 jan, 2018 lb 15:20
    O Dâmaso, jornalixo opinador, tal como muita gente sde direita, a quem os processos foram diretamente para o caixote, ou não se sabe o que se passa com os mesmos,andam muito alvoraçados!
  • Carlos Santos
    10 jan, 2018 Lisboa 13:08
    Pela histeria que os partidos da direita revelam perante a mera hipótese de a actual Procuradora Geral da República não ser reconduzida no cargo é fácil perceber que interesses ela serviu durante o seu mandato. Não é por acaso que nem um processo criminal foi por ela levantado contra políticos ligados ao CDS ou ao PSD e que os poucos que existiam foram mandados arquivar ou ficaram a hibernar. E não venham dizer que na direita não há políticos corruptos pois todos sabemos que não é assim. Esta Procuradora foi a principal responsável pelas constantes violações do segredo de justiça a que assistimos de forma despudorada e vergonhosa nos últimos anos e que foram sempre provenientes do Ministério Público, em muitos casos com a violação do direito à vida privada das pessoas através da divulgação de escutas telefónicas que nada tinham a ver com a matéria dos processos de investigação. Este arrozoado da direita a propósito deste tema querendo obrigar a actual maioria a reconduzir a Procuradora escolhida durante o Governo de Passos Coelho mostra bem até que ponto esta e os órgão de comunicação social ao seu serviço manipulam a Justiça em Portugal.
  • Alberto
    10 jan, 2018 FUNCHAL 11:36
    O PR virou REI ou catavento?
  • Petervlg
    10 jan, 2018 Trofa 10:49
    o poderio económico e politico a funcionar. não seria melhor destituir a Srª ministra? porque a imagem que deixa é que esta comprometida com algo!
  • Rui Conde
    10 jan, 2018 Mafra 09:13
    Pois... o trabalho da dra Joana Marques Vidal na PGR vai deixar saudades....Os conhecidos “mega processos” vão ser afectados com a sua saída e está a ver-se o filme destinado a absolver Sócrates e não só... A saída em apreço vai descredibilizar a Justiça deste país... Falem com Henriques Neto sobre o tema Sócrates...
  • TUGA
    10 jan, 2018 Lisboa 08:51
    Podiam dar a notícia sem esta fotografia horrível!! A SENHORA Marques Vidal incomoda muita gente...faz sombra a muitos "yes man" incompetentes militantes deste sistema caduco e corrupto onde vagueiam estes vampiros.
  • Fernando
    10 jan, 2018 Lisboa 08:16
    Ainda existe gente que escreve por aqui com a mentalidade de Salazar. Está certo.... há gente que deve ter serradura em vez de neurónios.... digam-me onde esta senhora tem provas, após anos e anos, anos .... e anos !!! em que os processos se prolonga .... e prolonga.... e no fim..... "... não existem provas". Não existem provas, NUNCA!.... para os poderosos.
  • bobo
    10 jan, 2018 lisboa e outra 00:01
    Esta provado de que, quem se mete com o PS leva. Um perigo para as liberdades , para a democracia

Destaques V+