Tempo
|
A+ / A-

Investimento europeu em defesa "vai ter que ser muito superior", diz António Vitorino

05 mar, 2024 - 16:27 • Pedro Mesquita , com redação

Comissão Europeia pretende estimular com 1,5 mil milhões de euros a indústria europeia de armamento, até 2027.

A+ / A-
Investimento europeu em defesa "vai ter que ser muito superior", diz António Vitorino

O ex-ministro António Vitorino considera que, no atual contexto de guerra na Ucrânia e de ameaça russa, o investimento europeu de Defesa terá que ser "muito superior" aos 1,5 mil milhões de euros, com que a Comissão Europeia pretende estimular a indústria europeia de armamento, até 2027.

Contactado pela Renascença, o antigo ministro da Defesa diz que será preciso investir muito mais dinheiro na base industrial de defesa.

“É relativamente evidente que, nos próximos anos, o investimento em defesa, sobretudo em relação à base industrial de defesa europeia, vai ter que ser muito superior a isso. Basta pensar que para os próximos dois anos as empresas de armamento europeu já fizeram encomendas à indústria de armamento americano num valor de 120 mil milhões.”

Esta é uma preocupação sublinhada por António Vitorino, tendo em conta o grau cada vez mais elevado da ameaça russa, e a incerteza política nos EUA.

O ex-ministro não tem dúvidas: será necessário um grande esforço europeu para estar à altura dos desafios.

“Sem uma estrutura industrial de defesa suficientemente sólida e consolidada, não é possível resolver a diferença que existe em capacidade de intervenção militar. Basta pensar que nos EUA existem cerca de 30 sistemas de armas e na Europa existem 178 sistemas de armas. Isso dá uma ideia do grande esforço de aproximação e uniformização que vai ser necessário, para que o produto operacional das forças europeias possa estar à altura dos desafios com que vamos estar confrontados”, sublinha António Vitorino.

A Comissão Europeia quer um compromisso por parte dos Estados-membros para a compra conjunta de pelo menos 40% dos equipamentos militares para a União Europeia (UE) até 2030, anunciou esta terça-feira o executivo comunitário.

De acordo com a proposta apresentada sobre a estratégia para industrial da defesa na UE, o executivo de Ursula von der Leyen quer que até 2030 o valor do comércio intraeuropeu em defesa seja de pelo menos 35% o mercado da defesa na UE.

"Fazer progressos constantes no sentido de adquirir pelo menos 50% do seu orçamento para aquisições de defesa na UE até 2030 e 60% até 2035", é outra das metas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+