A+ / A-

Madeira. Frente Cívica diz que libertação de detidos é decisão "muito bizarra"

15 fev, 2024 - 08:50 • Liliana Monteiro , João Malheiro

João Paulo Batalha diz que é fundamental "que se aprenda alguma coisa" com este tipo de processos, mas "parece que não se faz uma avaliação dos processos".

A+ / A-

O vice-presidente da Frente Cívica diz que a decisão do juiz de instrução de libertar os três detidos no âmbito da megaoperação na Madeira é "muito bizarra".

À Renascença, João Paulo Batalha refere que, apesar de ser natural que possa haver uma discordância entre o Ministério Público e o juiz de instrução, neste caso trata-se de "uma discordância demasiado violenta".

O especialista no combate à corrupção defende que "mais do que esclarecimentos públicos" sobre o que levou a que os suspeitos fossem detidos durante 21 dias, o importante é que "esteja o processo a andar".

"Estar a fazer conferências de imprensa e mais comunicados só aumenta ruído. É fundamental que seja no processo que haja esclarecimentos", reitera.

O vice-presidente da Frente Cívica diz que é fundamental "que se aprenda alguma coisa" com este tipo de processos, mas "parece que não se faz uma avaliação dos processos".

Para João Paulo Batalha, era importante uma reflexão regular "para dar diretrizes como se deve proceder em processos semelhantes, para garantir o mínimo de eficiência".

Depois de 21 dias, os três detidos das investigações na Madeira saíram em liberdade esta quinta-feira, com termo de identidade e residência.

O juiz de instrução considera que não há indícios que tenha sido cometido qualquer crime por parte dos três suspeitos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+