Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Número recorde. Estão a dar aulas quase 3.200 professores sem profissionalização

18 jan, 2024 - 18:07 • Fátima Casanova

Quase triplicou o número de docentes só com habilitação própria, face aos cerca de 1.260 que foram colocados no início do ano letivo.

A+ / A-

Disparou o número de professores sem profissionalização contratados pelas escolas. Fonte do Ministério da Educação disse à Renascença que dos 20.113 docentes contratados, 15,8% só têm habilitação própria, ou seja, são 3.178, quase o triplo face aos cerca de 1.260 colocados no início deste ano letivo.

Segundo a Federação Nacional dos Professores (Fenprof), o número de docentes sem profissionalização é o mais alto dos últimos 30 anos.

Estes professores, considerados menos qualificados do que os colegas de carreira, estão colocados em todos os grupos disciplinares, com maior incidência em Informática, Geografia e Matemática.

Lisboa e Vale do Tejo (QZP7) é a zona do país com mais professores nesta situação, já que esta é uma forma das escolas tentarem ultrapassar a falta de docentes profissionalizados.

Segundo o contador da Fenprof, nesta altura há 44 mil alunos a quem falta pelo menos um professor. O número é calculado a partir dos pedidos feitos pelas escolas.

O Governo aprovou legislação com mudanças nos requisitos mínimos para a docência, facilitando a entrada de profissionais no ensino para suprir a falta de professores.

Nesta altura, segundo o ministro da Educação, há 1.300 alunos em formação na totalidade dos mestrados em ensino, um número insuficiente para fazer face às aposentações. Só nos dois primeiros dois meses deste ano aposentam-se 749 professores e educadores.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+