A+ / A-

​Educação

Em dois meses aposentam-se mais professores do que em todo o ano de 2018

08 jan, 2024 - 20:44 • Fátima Casanova

A falta de professores continua a agravar-se. Só nos primeiros dois meses de 2024 deixam a escola pública 749 professores e educadores.

A+ / A-

Em janeiro e fevereiro deixam a escola pública 696 professores e 53 educadores de infância, de acordo com as listagens da Caixa Geral de Aposentações (CGA). Contas feitas, são 749 profissionais do setor da educação a passar à aposentação.

Trata-se de um valor que supera, as aposentações registadas em todo o ano de 2018, o último ano em que as saídas não chegaram ao milhar.

A partir de 2019, nos últimos cinco anos, o número de aposentações esteve sempre a aumentar, culminando em 2023 com a saída de 3.521 profissionais do sistema de ensino público.

Este ano, em janeiro, aposentam-se 434 docentes e educadores a que se juntam mais 315 no próximo mês, num total de 749 profissionais, de acordo com a Caixa Geral de Aposentações. Comparando com o período homólogo, são mais 258.

Fazendo contas ao ano letivo 2023/24, em seis meses, já se aposentaram 2.164 professores, mais 634 do que em igual período do ano passado.

Início de semana com 599 horários em oferta de escola

Esta segunda-feira estão a concurso 599 horários, o que representa o número mais alto desde o início deste mês de janeiro.

De acordo com o site “Escolas perto de mim”, faltam docentes em mais de 260 escolas, especialmente de Português, do primeiro ciclo do Ensino Básico e Biologia e Geologia. Sem surpresa, Lisboa mantém-se como a zona em que faltam mais docentes.

Segundo a Federação Nacional da Educação (Fenprof), que tem por base os horários declarados para a contratação de escola, há agora cerca de 29 mil alunos com falta de professores.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+