Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Fnam acusa Governo de não resolver os problemas do SNS

04 dez, 2023 - 12:54 • Olímpia Mairos , com redação

Em causa está a diminuição do atendimento nas urgências hospitalares nos últimos meses, uma quebra de 15% em novembro e de 9% em outubro, em comparação com 2022.

A+ / A-

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) volta a atribuir responsabilidades ao Governo. Em causa está a diminuição do atendimento nas urgências hospitalares nos últimos meses, uma quebra de 15% em novembro e de 9% em outubro, em comparação com 2022.

Segundo dados do SNS, regista-se uma diminuição progressiva do atendimento desde setembro, altura em que os médicos começaram a entregar escusas ao trabalho extraordinário além das 150 horas obrigatórias.

Joana Bordalo e Sá diz que o Ministério da Saúde escolheu não resolver os problemas do SNS.

“Isto é da inteira responsabilidade deste Governo que fez uma escolha”, diz.

Segundo Joana Bordalo e Sá, o Governo “escolheu não resolver a situação do conflito com os médicos quando tinha orçamento para isso, mas não teve vontade política para o fazer”

“O Governo, este ministério, ainda liderado pelo doutor Manuel Pizarro, tem que assumir todas as consequências e todas as responsabilidades, porque é da sua responsabilidade deixar o Serviço Nacional de Saúde neste estado”, acrescenta.

Já esta manhã, em declarações à Renascença, o bastonário da Ordem dos Médicos, mostrou-se preocupado com as consequências da redução do atendimento no futuro, mais precisamente, “o impacto que isso vai ter em muitas patologias e muitos doentes que não foram adequadamente tratados”.

Carlos Cortes revelou que estão a chegar à Ordem relatos de “doentes que não se dirigiram ao serviço de urgência e agravaram a sua doença, muitas vezes casos que já não se viam há muito tempo”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+