Tempo
|
A+ / A-

Operação Influencer. Ministério Público recorre das medidas de coação

13 nov, 2023 - 22:59 • Lusa

O juiz de instrução deliberou a saída em liberdade de cinco arguidos da Operação Influencer, que estavam detidos desde a última terça-feira. O magistrado deixou também cair os crimes de corrupção e prevaricação.

A+ / A-

O Ministério Público (MP) anunciou esta segunda-feira que vai recorrer das medidas de coação dos cinco arguidos detidos na investigação aos negócios do lítio, hidrogénio e centro de dados de Sines, que saíram em liberdade por decisão do tribunal.

"O Ministério Público vai interpor recurso", respondeu à agência Lusa a Procuradoria-Geral da República (PGR).

O juiz de instrução Nuno Dias Costa deliberou esta segunda-feira a saída em liberdade de cinco arguidos da Operação Influencer, que estavam detidos desde a última terça-feira, 7 de novembro. O magistrado deixou também cair os crimes de corrupção e prevaricação.

Em causa estão o chefe de gabinete do primeiro-ministro, Vítor Escária, do consultor Diogo Lacerda Machado, amigo de António Costa, do presidente da Câmara de Sines, Nuno Mascarenhas, e dos administradores da Start Campus Afonso Salema e Rui Oliveira Neves, que estavam detidos desde terça-feira.

O MP pedia prisão preventiva para Vítor Escária e Diogo Lacerda Machado.

A Diogo Lacerda Machado foi aplicada uma caução de 150 mil euros e a proibição de viajar para o estrangeiro (com entrega do passaporte), com esta última medida a ser igualmente imposta a Vítor Escária, enquanto os restantes três arguidos saíram apenas com a medida de coação de Termo de Identidade e Residência (TIR).

O juiz Nuno Dias Costa considerou "claramente desproporcionais" as medidas de coação que foram pedidas pelo Ministério Público (MP) para os arguidos detidos na investigação aos negócios do lítio, hidrogénio e centro de dados de Sines.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim Correto
    14 nov, 2023 Paços 09:20
    Eu nem acredito que o MP mandou um primeiro ministro abaixo e por consequência um governo, por pura leviandade! Inacreditável! Eu sempre pensei que, para se emitir um comunicado a dizer que o primeiro ministro ia ser alvo de um processo crime, tinham provas inequívocas de corrupção! Inacreditável!
  • Luiz
    14 nov, 2023 SANTO ANTÓNIO DOS CAVALEIROS 09:02
    A Vidalhada de procurandeiros ao serviço do Ventrulha, desceram ao nivel de lixo tóxico!

Destaques V+