Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Saúde

Adalberto Campos Fernandes. Dinheiro no SNS "não está a ser gasto no sítio certo"

06 out, 2023 - 14:36 • Carla Fino , Diogo Camilo

Antigo ministro da Saúde diz que solução do Governo para o Serviço Nacional de Saúde passa por "meter dinheiro em cima dos problemas" e critica a despesa de 200 milhões de euros em horas extraordinárias de médicos.

A+ / A-

O antigo ministro da Saúde Adalberto Campos Fernandes criticou esta sexta-feira a despesa do Serviço Nacional de Saúde com horas extraordinárias de profissionais de saúde, apontando o dedo à falta de vontade política do Governo na resolução dos problemas.

Em reação à Renascença à notícia de que o SNS já gastou mais de 200 milhões de euros em horas extraordinárias de médicos, o ex-governante diz que, mais tarde ou mais cedo, a situação vai levar a uma rutura.

“A resolução política dos problemas é difícil, então metemos dinheiro em cima dos problemas. Podemos dizer que temos mais 10, 20 mil profissionais, recrutamos mais médicos, mas é um facto que a disfunção interna dos hospitais não tem parado nos últimos anos”, diz, defendendo uma intervenção estrutural do sistema.

O ex-ministro indicou que os custos com horas extraordinárias estão a atingir “valores pré-troika” e Adalberto Campos Fernandes alerta que o dinheiro “não está a ser usado no sítio certo”, concordando com o que Mário Centeno disse na passada quarta-feira.

O governador do Banco de Portugal tinha indicado que “o problema do SNS não é a falta de dinheiro”, aludindo aos números de despesa no Serviço Nacional de Saúde, que subiram de”8,5 mil milhões em 2015 para perto de 15 mil milhões de euros em 2022”.

Segundos dados da Administração Central do Sistema de Saúde, o Estado já pagou mais de 200 milhões de euros em horas extraordinárias a médicos até agosto deste ano, um valor superior ao total do último ano pré-pandemia, em 2019.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+