Tempo
|
A+ / A-

Fenprof insatisfeita com promulgação da carreira de professores

21 ago, 2023 - 15:28 • Lusa

A Fenprof defende a luta dos docentes face ao diploma promulgado que considera gerar "ainda mais assimetrias".

A+ / A-

A Fenprof defendeu esta segunda-feira que a promulgação do diploma sobre a progressão dos professores confirma a "necessidade de manter forte a justa luta", uma vez que "gera assimetrias" e "procura eliminar" anos de serviço.

O Presidente da República promulgou esta segunda-feira o diploma do Governo sobre a progressão dos professores, que foi reformulado depois de Marcelo Rebelo de Sousa ter vetado a primeira versão.

A Federação Nacional de Professores (Fenprof) entende, em comunicado, que a promulgação do diploma "gera novas assimetrias na carreira e procura eliminar os seis anos, seis meses e 23 dias (de serviço não contabilizado) e confirma a necessidade de os professores manterem forte a sua justa luta".

O diploma promulgado estabelece um regime especial de regularização das assimetrias na progressão na carreira dos educadores de infância e dos professores dos ensinos básico e secundário dos estabelecimentos públicos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário.

O Presidente da República já tinha revelado que iria promulgar o diploma, dizendo esperar que o próximo ano letivo fosse "menos agitado" do que o passado.

Para a Fenprof, "o diploma que, supostamente, regulariza assimetrias na progressão na carreira dos docentes não só não resolve o problema das assimetrias existentes, como dá origem a mais algumas".

A Federação sindical defende que "o diploma procura consolidar a eliminação definitiva dos seis anos, seis meses e 23 dias de tempo de serviço cumprido e não contado para efeitos de carreira; é um diploma que não recupera um só daqueles dias em falta e que mantém as vagas de progressão aos 5.º e 7.º escalões, bem como as quotas que geram tremendas injustiças na avaliação do desempenho dos docentes".

Os professores continuam a reclamar a recuperação integral do tempo de serviço cumprido, ainda que de forma faseada.

"É pena que este problema, que não é o único, mas é, sem dúvida, o que mais une os professores, se mantenha, pois ele será impeditivo de termos, finalmente, um ano letivo tranquilo no qual a luta dê lugar a uma negociação séria e consequente", alerta a Fenprof, que diz ainda não conhecer o texto final do diploma promulgado.

Quando conhecer o diploma, a Fenprof "decidirá da necessidade de tomar nova posição", mantendo a luta pela recuperação total do tempo de serviço ainda congelado e de eliminação das vagas e das quotas.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+