Tempo
|
A+ / A-

Sindicato

Diploma sobre progressão dos professores "já devia estar resolvido"

31 jul, 2023 - 09:50 • Ana Fernandes Silva

Federação Nacional de Educação (FNE) classifica como insuficiente a hipótese de Marcelo promulgar o diploma sobre as carreiras dos professores.

A+ / A-

A Federação Nacional de Educação (FNE) classifica como insuficiente a hipótese de Marcelo Rebelo de Sousa promulgar o diploma sobre as carreiras dos professores.

Em declarações à Renascença esta segunda-feira, o secretário-geral da FNE admite que este é "um passo importante, porque qualquer passo no sentido de facilitar o encontro de soluções é importante".

Pedro Barreiros diz "não desvalorizar o passo dado pelo Presidente da República", mas contrapõe:

"O que me custa aceitar é que, da parte das associações sindicais, sejam dados passos, da parte do Presidente da República também sejam dados passos e, da parte do Governo, os passos que vemos são passos para atrás."

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, admitiu no domingo promulgar o novo diploma do Governo sobre a progressão dos professores por entender que deixa "uma porta entreaberta" para acelerar o avanço das carreiras dos docentes.

"Não nos satisfaz que seja dito apenas que há uma eventual disponibilidade para, nesta legislatura, se encontrar uma solução para algo que já devia estar resolvido", afirma o responsável.

Pedro Barreiros realça a vontade de "dar início ao próximo ano letivo num clima de maior acalmia, de paz e tranquilidada nas escolas", no entanto, garante que os professores não vão "abdicar daquilo das reinvindicações que consideramos justas e legítimas".

"Queremos que o Ministério da Educação possa abrir rapidamente um processo negocial para resolvermos este problema. Já é hora do Governo se responsabilizar por aquilo que acontece", conclui o secretário-geral da FNE.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+