Siga-nos no Whatsapp
Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
Professores. O que mudou para que Marcelo aprovasse o diploma?

Explicador Renascença

Professores. O que mudou para que Marcelo já admita aprovar o diploma?

31 jul, 2023 • Sérgio Costa


Ao que explicou Marcelo, o Governo acrescentou uma frase no preâmbulo, para deixar em aberto a possibilidade de novas negociações sobre a recuperação de tempo perdido.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, admitiu este domingo promulgar o novo diploma do Governo sobre a progressão dos professores por entender que deixa “uma porta entreaberta” para acelerar o avanço das carreiras dos docentes.

O diploma tinha sido chumbado, no início da semana, pelo chefe de Estado, mas depois de alterações por parte do Conselho de Ministros ao diploma, o cenário mudou.

O Explicador Renascença refere o que mudou.

Porque é que a primeira versão foi chumbada?

O Presidente da República entendeu que o documento encerrava em definitivo o processo de contagem do tempo de serviço congelado, ou seja, não permitia mais negociações.

A partir daí, Marcelo considera que haveria frustração da esperança dos professores.

Por outro lado, o documento criava disparidade de tratamento entre o continente e as regiões autónomas, onde foi encontrada uma solução para os professores terem direito aso valores congelados.

O que mudou para o diploma poder ser promulgado?

Uma frase.

Ao que explicou Marcelo, o Governo acrescentou uma frase no preâmbulo, para deixar em aberto a possibilidade de novas negociações sobre a recuperação de tempo perdido.

E que frase é que fez a diferença?

A frase é: “Os resultados do diploma não prejudicam novas negociações em diferentes conjunturas, designadamente em futuras legislaturas”.

Fica bem clara a possibilidade de novas negociações inclusivamente na atual legislatura que terminará em 2026.

E abre-se a porta a mais diálogo sobre a recuperação do tempo de serviço congelado.

Quando falamos de tempo de serviço congelado, falamos do quê exatamente?

Estamos a falar do tempo em que os professores não tiveram direito a subir na carreira e o seu vencimento não foi aumentado.

Estamos a falar essencialmente de dois períodos: entre 2005 e 2006 (governo de José Sócrates) e desde 2011 e 2018 (decisão tomada no governo de Passos Coelho e que se prolongou ainda pelo primeiro governo de António Costa).

Porque é que não houve progressão de carreiras?

Por questões de finanças públicas. No caso de 2011, por exemplo, todos nos lembramos que foi o tempo da crise financeira e da Troika.

Esse foi o momento em que não só os professores viram as suas carreiras congeladas, mas também os funcionários públicos e os pensionistas também sofreram cortes.

É, sobretudo, o tempo congelado nesse período que motiva toda a polémica.

Reciclar e ganhar. Quando pode valer a sua garrafa?
EUA. Joe Biden desistir das Presidenciais está a tornar-se um cenário provável?
Provas de aferição passam a Provas de Monitorização da Aprendizagem. O que muda?
Por que é que os Jogos Olímpicos podem levar a mais casos de dengue na Europa?
Caso das vacinas pode ameaçar reeleição de Von der Leyen?
Há cada vez mais portugueses sem médico de família atribuído. O que dizem os dados?
Perdeu a carteira? Governo anuncia novos serviços digitais
Alunos sem professores é uma situação recorrente. Porquê?
Cartão social. O que é e que famílias vão ter direito a ele?
Ataque contra Donald Trump. Que influência pode ter na campanha?
Por que é que os resultados dos rankings são todos diferentes?
O que se sabe sobre a nova estirpe da “varíola dos macacos”?
Portugal tem a população mais envelhecida da UE?
Portugal registou uma quebra de nascimentos no primeiro semestre do ano. Quais são os dados?
Quantos milionários há em Portugal?
O que prevê o novo acordo do Governo com os polícias?
Qual é o objetivo da cimeira da NATO?
Quem é que a PGR acusou de orquestrar uma campanha contra o Ministério Público?
Turismo. Quem escolhe Portugal para passar férias e quanto gastam os portugueses quando viajam?
Nova Frente Popular. O que é a união das esquerdas que venceu em França?
Ronaldo pode ser castigado por "marketing de emboscada". A culpa é do ritmo cardíaco
Eleições no Reino Unido. Os trabalhistas podem ganhar estas eleições?
O que é que Lucília Gago vai esclarecer no Parlamento?
Bolsas para alunos do ensino superior. Conheça as novidades
Por que é que continua a haver muitos votos desperdiçados?
200 mil utentes retirados da lista dos centros de saúde. O que se passa?
O Governo quer responsabilizar as administrações hospitalares pelas listas de espera de cirurgias. Como assim?
Os portugueses queixam-se de quê no livro de reclamações eletrónico?
Eleições em França. Como funciona a segunda volta?
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José J C Cruz Pinto
    31 jul, 2023 Ílhavo 10:55
    O que mudou deve ter sido que o Presidente "caiu na real". [Mas não foi caso para se "magoar".]