Tempo
|
A+ / A-

Agência de Gestão Integrada de Fogos Rurais desdramatiza críticas de António Nunes

18 mai, 2023 - 11:59 • Olímpia Mairos , com redação

Presidente da Liga dos Bombeiros acusou a AGIF de "deriva perigosa" no combate aos incêndios.

A+ / A-

A Agência de Gestão Integrada de Fogos Rurais desdramatiza as críticas feitas pelo presidente da Liga dos Bombeiros e defende a estratégia de combate a incêndios como a mais adequada.

António Nunes alertou, em entrevista ao Hora da Verdade da Renascença e Público, para o que diz ser uma deriva perigosa. Em causa está o facto de estratégia de combate incorporar experiências de outros países.

Na resposta, Tiago Oliveira, presidente da Agência de Gestão Integrada de Fogos Rurais, pede humildade e defende o plano definido.

“Naturalmente, que vai haver um aqui um processo de adaptação à cultura portuguesa de um conjunto de standards operacionais que demora o seu tempo”, adianta.

Nestas declarações à Renascença, o responsável frisa que “nós temos que adaptar standards internacionais” de forma mais “correta e, portanto, é uma visão diferente”, acrescentando que não vão “copiar, mas podemos todos aqui ficar mais ricos ouvindo os outros”.

“Temos que ser humildes e dizer esta capacidade de absorver conhecimento”, conclui.

Na entrevista ao programa Hora da Verdade da Renascença e do jornal Público, António Nunes defendeu que as soluções usadas nos EUA, Austrália, Chile ou Canadá no combate aos fogos florestais não servem para Portugal, deixando mesmo a acusação de que há “uma deriva perigosa” na estratégia de combate aos incêndios.

“O nosso território, a nossa interligação e interface meio urbano-meio florestal não se coaduna com essas técnicas, na nossa opinião. É evidente que há especialistas que dirão que se coaduna. Nós dizemos que não”, disse o presidente da Liga dos Bombeiros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+