A+ / A-

Comissão de Inquérito

TAP. PSD pede audição urgente de João Galamba

11 abr, 2023 - 16:39 • Lusa

O PSD considera que as explicações dadas até ao momento causam "dúvidas profundas", que "têm de ficar cabalmente esclarecidas".

A+ / A-

O PSD pediu nesta terça-feira a audição urgente do ministro das Infraestruturas, João Galamba, na comissão de inquérito à TAP, devido à reunião com deputados do PS, a presidente executiva e membros de gabinetes do Governo, em janeiro.

De acordo com o requerimento endereçado nesta terça-feira ao presidente da comissão de inquérito, Jorge Seguro Sanches, o grupo parlamentar do PSD entende que "é urgente a audição do ministro João Galamba", requerendo, assim, "formalmente a sua convocatória prioritária".

Em causa está uma reunião que decorreu na véspera de uma audição da presidente executiva da TAP, Christine Ourmières-Widener, em janeiro, que contou a participação da responsável, de deputados do PS e de membros de gabinetes do Governo.


"De acordo com a CEO (presidente executiva) da TAP, o convite para a reunião partiu do Ministério das Infraestruturas. Segundo o Ministro das Infraestruturas, a manifestação de interesse na reunião partiu originalmente da TAP, no dia 16 de janeiro de 2023, tendo o seu ministério apenas anuído à sua realização", aponta o PSD, realçando que os esclarecimentos do ministro das Infraestruturas ocorreram dois dias após o conhecimento público da existência da reunião.

Já o Ministério dos Assuntos Parlamentares, de quem partiu o convite para a reunião via Teams, afirma ter apenas servido de ponte entre o grupo parlamentar do Partido Socialista e as Infraestruturas.

Neste sentido, o PSD pede também aos dois ministérios e à presidente executiva da TAP que respondam a seis questões: "De quem foi a iniciativa de realizar a reunião tida a 17 de janeiro de 2023, de que forma foi demonstrada a manifestação de interesse na realização da reunião, qual a ordem de trabalhos atribuída, quem participou, se existem resumos, notas ou ata da reunião e o que foi tratado na mencionada reunião".

Caso existam registos escritos do encontro, o PSD "solicita o seu envio à Comissão Parlamentar de Inquérito da TAP".

"Nós entendemos antecipar a vinda do senhor ministro João Galamba, para que esclareça aquilo que para nós é algo que não bate certo", disse o deputado do PSD Paulo Moniz, em declarações aos jornalistas sobre este requerimento, na Assembleia da República.

Para o PSD, as explicações dadas até ao momento causam "dúvidas profundas", que "têm de ficar cabalmente esclarecidas", daí a urgência em ouvir João Galamba, "o mais brevemente possível", mesmo tendo sido acordado que a comissão de inquérito deixaria as audições de atores políticos para uma fase mais tardia dos trabalhos.

Fernando Medina. PSD não quer antecipar audiência

Já quanto ao ministro das Finanças, Fernando Medina, o PSD entende não haver motivo para antecipar a audição, afirmou Paulo Moniz, apontando que, em relação a João Galamba, "há uma circunstância que mudou dramaticamente a circunstância" que a comissão de inquérito está a avaliar.

Na segunda-feira, a TVI avançou que Laura Abreu Cravo, mulher do atual ministro das Infraestruturas, João Galamba, coordena há um ano o Departamento de Serviços Financeiros no Ministério das Finanças, liderado por Fernando Medina, embora a nomeação nunca tenha sido publicada em Diário da República.

Nesta terça-feira, no parlamento, Fernando Medina explicou que Laura Cravo não foi nomeada em Diário da República, porque está a exercer funções no Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (GPEARI) do Ministério das Finanças ao abrigo da mobilidade pública, já que é quadro da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, não tendo sido nomeada pelo Governo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+