A+ / A-

Inflação

Governo "está a deixar pensionistas para trás", lamenta APRE

24 mar, 2023 - 23:30 • João Malheiro

A presidente da APRE pede "aumentos justos" para os pensionistas, ou seja, "a um valor idêntico à inflação", com efeitos retroativos, até porque "a inflação não começou agora".

A+ / A-
A presidente da ARPE, Maria do Rosário Gama, sobre a falta de apoios aos pensionistas
A presidente da ARPE, Maria do Rosário Gama, sobre a falta de apoios aos pensionistas

Veja também:


A Associação de Aposentados, Pensionistas e Reformados (APRE) diz que o Governo está a deixar este setor da população para trás.

O Governo apresentou um novo pacote de apoio às famílias esta sexta-feira, mas sem nenhuma medida direcionada para os pensionistas.

À Renascença, a presidente da APRE lamenta que em tantas medidas "não sejam referidas as pessoas reformadas", apelando, por exemplo, "à redução de IVA de medicamentos" e ao aumento das pensões.

Maria do Rosário Gama diz que falta também "referência aos mais velhos vulneráveis".

"A energia, as rendas, os lares subiram imenso. As pessoas tiveram um aumento de 2% e os lares aumentaram 8%. É muito difícil fazer frente a tantos aumentos", aponta.

A presidente da ARPE pede "aumentos justos" para os pensionistas, ou seja, "a um valor idêntico à inflação", com efeitos retroativos, até porque "a inflação não começou agora".

Maria do Rosário Gama destaca "que as dificuldades têm sido recorrentes" e há "pensionistas extremamente prejudicados".

E aponta que, apesar de diálogo com o Governo e deputados da Assembleia da República, os pensionistas sentem que a sua voz "não chega aos ouvidos do Governo".

"Se os reformados pudessem fazer greves, se calhar já teria havido uma atenção maior. Como não fazem greves, o Govern descuida-se. Parece que somos filhos de um deus menor", ironiza.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jorge Morais
    29 mar, 2023 Vila Nova de Gaia 17:32
    Comecei a trabalhar ainda antes de fazer os 10 anos. Porque estava desempregado, por falência duvidosa da empresa onde trabalhava, e atingi o limite do período de subsídio de desemprego previsto na Lei, vi - me obrigado a ANTECIPAR A REFORMA. Como ainda só tinha 60 anos, tive GRANDES PENALIZAÇÕES, o mesmo tendo acontecido com a minha mulher. Ou seja, o PRÉMIO a que tive direito por ter começado a trabalhar AINDA CRIANÇA !!! Aquando desses CORTES recordo que a DITA U. E. e a TROICA, tinham dito que seria só até 2018, se não me engano. O que é FACTO é que de TEMPORÁRIO passou a DEFINITIVO sem que NENHUM POLITICOZECO DESTE PAÍS tenha feito o que quer que seja para que fosse feita a REPOSIÇÃO DOS VALORES ROUBADOS !!! Entretanto recordo - vos que A PRIMEIRA ACÇÃO DESTE P.M. quando assumiu o governo, APESAR DE NÃO TER GANHO AS ELEIÇÕES, foi exactamente REVERTER GRANDE PARTE DOS CORTES QUE HAVIAM SIDO FEITOS AOS POLÍTICOS !!! Sabiam disto ? Uma coisa me tinha esquecido, é que entre mim e a minha mulher, o ESTADO PORTUGUÊS está á 9 anos a ROUBAR - NOS CERCA DE 2.000 € por ano.
  • Maria Aurora Mendes
    25 mar, 2023 Guimarães 08:09
    Vergonhoso, estar a receber uma pensão de 385 euros

Destaques V+