A+ / A-

Sindicato admite necessidade de se trazer Primeiro-ministro para negociações

27 jan, 2023 - 17:37 • Lusa

Foi preparada uma marcha nacional pela escola pública e em defesa do direito à greve, que terá lugar sábado, em Lisboa.

A+ / A-

O dirigente do Sindicato de Todos os Profissionais da Educação (STOP) admitiu a necessidade de se vir a trazer o primeiro-ministro para a mesa negocial, perante a "postura não dialogante" do ministro da Educação.

"De facto, o ministro [da Educação] está a arrastar e tem uma postura não dialogante e de imposição. Por isso, seja o Primeiro-ministro, seja o ministro das Finanças, claramente, pelos vistos, têm que vir para a mesa negocial", alegou André Pestana.

Em declarações aos jornalistas, proferidas esta tarde em frente à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, lamentou que as reivindicações dos profissionais da educação não sejam atendidas com a justificação de ter de "haver sustentabilidade orçamental e responsabilidade financeira".

"Mas, como é público, este mesmo Governo injetou mais de 22 mil milhões de euros na banca, milhões de euros são investidos nas parcerias público-privadas ruinosas e aí ninguém fala em sustentabilidade orçamental, aí ninguém fala em responsabilidade financeira. Quando é para os serviços públicos, como a educação e saúde, aí já pedem contenção salarial", sustentou.

O dirigente sindical deixou vincado que o ministro da Educação "parece que quer continuar a fazer parte do problema e não da solução", alegando estarem "cansados de simulacros de negociações".

No seu entender, o ministro de Educação continua a chamar os sindicatos para negociar sem apresentar propostas concretas em questões centrais como a igualdade entre corpos docentes do continente relativamente aos corpos docentes da Madeira e dos Açores, ou ainda em relação às reivindicações do pessoal não docente.

A propósito da mobilização nacional de docentes e não docentes, disse também que o Governo está "a tentar atacar o direito à greve". Em resposta foi preparada uma marcha nacional pela escola pública e em defesa do direito à greve, que terá lugar sábado em Lisboa.

A marcha ligará a sede principal do Ministério da Educação, na avenida Infante Santo / Avenida 24 julho, até ao Palácio de Belém, onde deverão ser recebidos.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+