Tempo
|
A+ / A-

dados do pordata

Pobreza aumenta. Sem apoios sociais mais de quatro milhões de portugueses seriam pobres

17 out, 2022 - 07:00 • Filipa Ribeiro

Cerca de 4,5 milhões de portugueses tinham rendimentos abaixo dos 554 euros mensais, em 2020. No primeiro ano da pandemia, a pobreza em Portugal aumentou cerca de 12,5%. Portugal é o 13.º país mais pobre da União Europeia.

A+ / A-

A pobreza aumentou, em 2020, em Portugal. Os dados da Pordata publicados esta segunda-feira em que se assinala o Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza mostram que Portugal é já o décimo terceiro país mais pobre da União Europeia.

A diretora do centro de estatística, Luísa Loura, explica à Renascença, a que “Portugal tem 4,5 milhões de pessoas em situação de pobreza, tendo em conta apenas os rendimentos, um número que se reduz para 1,9 milhões de pessoas quando são considerados os apoios sociais”.

De acordo com Luísa Loura, o aumento da pobreza de 12,5% é explicado pela pandemia e o efeito que teve no turismo, “um ponto que pode justificar o facto de Portugal ter sido o país onde a pobreza mais cresceu”.

Entre os que são mais pobres, o destaque é dado às famílias com filhos e às famílias monoparentais, por ter sido o sector onde a pobreza se expandiu. Dados das Pordata mostram que 40% das famílias portuguesas tinham em 2020 rendimentos abaixo dos 830 euros.

Portugal é ainda o segundo país com mais pessoas a viver em habitações com más condições. Pior que Portugal, só o Chipre. Luísa Louro diz que para além das más condições um dos dados mais preocupantes é o facto de no ano passado cerca de 5,3% dos portugueses considerados pobres mesmo recebendo apoios sociais tiveram dificuldade em aquecer a casa no último ano, um número que deverá subir este ano tendo em conta as previsões.

A subida da inflação vai colocar a população ainda mais vulnerável sobre o risco de pobreza. De acordo com a análise da Pordata da Fundação Francisco Manuel dos Santos, é preciso recuar a 1922 para vermos uma inflação tão alta (9,3%). Inflação que de acordo com o simulador da Pordata faz com que quem recebe o salário mínimo de 705 euros veja o seu poder de compra reduzido em 639 euros, uma valor não muito distante dos 554 euros definidos para delimitar o risco de pobreza.

Apesar dos baixos rendimentos e da quantidade de população em risco de pobreza, Portugal é dos país que tem mais refeições asseguradas para os pobres. Luísa Loura admite que parte da responsabilidade neste ponto é das instituições de caridade que asseguram refeições aos mais necessitados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Helena Tomé
    17 out, 2022 Vila Praia de Âncora 17:31
    Em vez de apoios, aumentem os ordenados e obriguem todos a pagar impostos, fazendo da fatura uma obrigação cumprida. Criem emprego e acabem com a burocracia, mesmo que tenham de aumentar as ações de inspeção. Aumentem o número de juízes e de funcionários judiciais e andem com os processos para a frente. Para quê dar esmolas quando podem dar emprego com bom salário. Alguém indevidamente recebe apoios, ao contrário do salário.
  • xico
    17 out, 2022 lixa 11:11
    MultiNews Novembro pode trazer aumento significativo na prestação do crédito à habitação: subida pode superar os 200 euros. Mais pobreza se adivinha,o ano de 2023 vai ser pior que este,tudo aumenta exageradamente.
  • Joaquim Correto
    17 out, 2022 Paços 08:30
    Portugal com tantos pobres e patrões das empresas mais ricas cada vez mais gananciosos!
  • Petervlg
    17 out, 2022 Trofa 08:20
    Devemos agradecer aos governos do PS de António Costa, o povo votou e escolheu, agora aguentem.
  • ze
    17 out, 2022 aldeia 08:05
    O socialismo sempre foi assim,criar pobres e fazâ-los viver de subsidios e de apoios do estado,para que eles continuem a votar no socialismo,com medo de perderem os apoios.Em Portugal,cada vez há mais pobreza e com uma diferença,cada vez a divida do país é maior e não se desenvolve o país,ao que chegámos!........

Destaques V+