Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Rui Moreira tem dúvidas sobre nova ponte Porto-Gaia. "Não se percebe porque só o diz agora", diz especialista

28 set, 2022 - 19:00 • Pedro Mesquita com Redação

Para Rio Fernandes, o recurso ao tabuleiro da ponte da Arrábida seria uma opção mais sensata "e colocar o comboio numa nova ponte", ou seja, o comboio em vez de passar por Campanhã, teria uma estação na Boavista.

A+ / A-

Rui Moreira admitiu esta quarta-feira que tem dúvidas se era necessária a nova ponte que vai ligar Porto a Vila Nova de Gaia.

Esta nova travessia sobre o Rio Douro vai ligar o Campo Alegre, no Porto, à zona do Candal, em Vila Nova de Gaia, no âmbito da Linha Rubi do Metro. A construção, a arrancar no próximo ano, deverá ser concluída em 2025.

Durante um debate na assembleia municipal, o autarca portuense disse que "não era ali que fazia a ponte e não fazia a ponte com aquela altura".

Em reação, à Renascença, o professor catedrático de Geografia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Rio Fernandes, admite "estar em grande medida de acordo" com os pontos de Rui Moreira, mas não compreende o timing da intervenção do presidente da Câmara Municipal do Porto.

"Não percebo porque é que diz isto agora. Se ele esteve ao lado do ministro, se acompanhou todo o processo, como é que vem dizer que foi tudo mal conduzido? Não consigo perceber. Enquanto político responsável, não devia dizer isto agora", considera.

Para este especialista, o recurso ao tabuleiro da ponte da Arrábida seria uma opção mais sensata "e colocar o comboio numa nova ponte", ou seja, o comboio em vez de passar por Campanhã, teria uma estação na Boavista.

Uma solução que chegou a ser mencionada, recorda Rio Fernandes, mas que nunca foi devidamente discutida.

"Foi equacionado, mas apareceu o anúncio desta nova ponte sem haver uma discussão sobre as vantagens, incovenientes e uma avaliação ambiental estratégica", refere.

O professor catedrático explica que a construção da nova ponte "obriga a uma inserção do lado do Porto que é muito violenta".

"É uma ponte que obriga a ter um tabuleiro de uma certa largura. Vai ser uma ponte gigantesca. Podia ter dois tabuleiros mais estreitos, mas o caderno de encargos não permite isso. É muito restritivo e obriga a fazer uma ponte gigantesca", aponta.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+