Tempo
|
A+ / A-

MP investiga morte de grávida em Lisboa

30 ago, 2022 - 17:30 • Redação, com Lusa

Ministério Público determinou a realização de uma autópsia à mulher transferida do Hospital de Santa Maria.

A+ / A-

O Ministério Público (MP) abriu um inquérito à morte de uma mulher grávida, transferida do Hospital de Santa Maria para o Hospital São Francisco Xavier, tendo ainda determinado a realização de uma autópsia.

"Confirma-se a instauração de inquérito, no âmbito do qual o Ministério Público determinou a realização de autópsia médico-legal", lê-se na nota da Procuradoria-Geral da República enviada à Renascença.

Já hoje a Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) tinha anunciado uma investigação às circunstâncias da morte.

"Foi determinada a instauração de uma inspeção à transferência de uma utente grávida do Hospital de Santa Maria, integrado no Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte, E.P.E., para o Hospital de São Francisco Xavier, integrado no Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, E.P.E., por uma alegada inexistência de vaga no Serviço de Neonatologia da primeira unidade hospitalar para internar o bebé quando fosse provocado o parto", referiu a IGAS.

De acordo com a nota divulgada, o objetivo da inspeção hoje anunciada pretende responder a uma série de questões.

"Qual foi a razão pela qual a utente foi transferida entre as duas unidades hospitalares? Quem foram os responsáveis pela decisão de transferência e sob que pressupostos clínicos asseguraram que a utente poderia ser transferida em segurança? Qual era a situação do Serviço de Neonatologia do Hospital de Santa Maria na data da transferência da utente? Em que circunstâncias ocorreu a morte da utente? Existiam soluções alternativas e mais seguras à transferência da utente?", elencou a IGAS, que irá revelar os resultados da investigação.

Uma mulher grávida morreu no sábado depois de ter sido transferida na terça-feira do Hospital de Santa Maria para o Hospital São Francisco Xavier, por ausência de vagas no serviço de neonatologia.

Durante a viagem, ocorreu uma paragem cardiorrespiratória, tendo sido realizados trabalhos de reanimação no transporte.

Segundo um comunicado do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN), já no Hospital São Francisco Xavier a grávida foi "submetida a uma cesariana urgente, tendo o recém-nascido, de 722 gramas, ido para a unidade de cuidados intensivos neonatais por prematuridade".

"A mãe ficou internada nos cuidados intensivos, vindo a falecer", indicou o CHULN, enviando "as mais sentidas condolências à família".

Em comunicado hoje divulgado, o Hospital de Santa Maria esclareceu que a morte da grávida, durante a transferência para o Hospital São Francisco Xavier, "foi inesperada" e que o desfecho poderia ter sido igual se a mulher permanecesse naquela unidade de saúde.

O primeiro-ministro, António Costa, admitiu hoje que a morte tenha sido a "gota de água" que levou ao pedido de demissão da ministra da saúde, Marta Temido, divulgado na madrugada de hoje.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+