A+ / A-

SIM

Marta Temido. Roque da Cunha fala de uma saída inevitável e lembra que cinco milhões recorrem a seguros privados

30 ago, 2022 - 07:30 • João Cunha com redação

A ministra da Saúde apresentou a sua demissão ao Primeiro-ministro por entender que "deixou de ter condições" para se manter no cargo.

A+ / A-

O presidente do Sindicato Independente dos Médicos compreende que o Primeiro-ministro tenha aceitado o pedido de demissão da Ministra da Saúde. Roque da Cunha espera que o próximo governante tenha capacidade de diálogo e não utilize a propaganda como forma de resolver os problemas.

Em declarações à Renascença, constata que nos últimos meses se assistiu a uma dissociação face relação à realidade. “Ainda no fim de semana passado, a Dra. Marta temido afirmou que tinha havido uma contratação de milhares de profissionais, quando a própria Direção-Geral de Saúde veio reforçar a necessidade contratação nos próximos tempos”.

Outra crítica apontada está relacionada com a incapacidade da “ministra de fazer valer a necessidade de investimento no SNS junto do ministro das Finanças”.

Para Roque da Cunha outro sinal preocupante é facto de cinco milhões de portugueses já terem necessidade de recorreram a seguros de saúde.

E quanto ao que espera da próximo Ministro ou Ministra da Saúde? “Gostaríamos que pudesse ser alguém que conhecesse o sector; que tivesse junto do sr. Ministro das Finanças a capacidade de demostrar que investindo hoje vai-se poupar no futuro, pois o facto de não se ter acompanhado as doenças crónicas e rastreio estamos a sentir um aumento da mortalidade e da morbilidade; com capacidade de diálogo, aproveitando a disponibilidade que os sindicatos têm demonstrado ao longo dos anos; que possua sensatez e que não utilize a propaganda como forma de resolver os problemas”.

O gabinete de António Costa confirma que recebeu o pedido de demissão da ministra. O Primeiro-ministro "respeita" a decisão e aceita o pedido, tendo já comunicado ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

A saída da ministra da Saúde acontece após a morte de uma mulher após uma cesariana de urgência no Hospital São Francisco Xavier. A grávida de 31 semanas tinha sido transferida de Santa Maria por falta de incubadoras no serviço de Neonatologia e sofreu uma paragem cardiorrespiratória durante o transporte.

Foi ministra durante os três últimos três executivos, liderados pelo socialista António Costa.

Marta Temido também foi subdiretora do Instituto de Higiene e Medicina Tropical da Universidade Nova de Lisboa e presidente do conselho diretivo da Administração Central do Sistema de Saúde, assim como membro do conselho de administração de vários hospitais do Serviço Nacional de Saúde.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joao
    30 ago, 2022 Vila Nova de Gaia 12:33
    Lei da procura e oferta. Vocês querem que o estado entre em guerra de vencimentos com o privado??? Quem são os únicos que beneficiam? Médicos. Alterar constituição. Obrigatoriedade de estar 5 anos no SNS. Quem paga os cursos dos médicos???

Destaques V+