Tempo
|
A+ / A-

Climatologista Carlos da Câmara

​Portugal assolado por "fogos com intensidade nunca vista"

15 jul, 2022 - 20:25 • Pedro Mesquita , com redação

Climatologista Carlos da Câmara fala numa "combinação explosiva" da seca com a onda de calor.

A+ / A-

O climatologista Carlos da Câmara afirma que Portugal está a ser assolado por "fogos com uma intensidade nunca vista".

Em declarações à Renascença, o especialista da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa fala numa "combinação explosiva" da seca com a onda de calor.

“Quando temos campos de golfe a arder no Algarve, quer dizer que foram atingidos níveis de stress nunca vistos e isso só devido às condições meteorologicamente excepcionalmente gravosas como aquelas que assolaram Portugal nos últimos cinco dias”, sublinha.

Vinte e cinco mil dos 38 mil hectares de área consumida pelas chamas deste o início do ano foram adicionados na última semana, com temperaturas escaldantes registadas em Portugal.

OuvirPausa
​Portugal assolado por "fogos com uma intensidade nunca vista"

Carlos da Câmara diz que num incêndio registado esta sexta-feira, em Montesinho, a energia libertada chegou aos 950 megawatts, “mais de três barragens da Aguieira em termos de energia por unidade de tempo”.

O caráter mais potente e imprevisível dos incêndios dificulta o pré-posicionamento de meios.

Nos últimos anos “as forças de combate, de antemão, sabiam onde é que poderia haver esses fogos com maior dificuldade em ser combatidos e já estavam previamente posicionadas. Nesta altura, é mais complicado porque o inimigo está em toda a parte e é muito difícil combater o fogo, porque depois do ataque do inimigo dificilmente ele vai ser dominado nos dias seguintes”, sublinha o climatologista.

Outro problema são as noites tropicais, com temperaturas de 25 e mais graus, com pouca humidade e vento, afirma Carlos da Câmara.

OuvirPausa
Professor Paulo Fernandes em declarações a Pedro Mesquita

Na última semana, os incêndios de maior dimensão têm deflagrado no Litoral.

Em declarações à Renascença, o professor Paulo Fernandes, da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), admite que o Interior esteja a ser menos fustigado devido à área queimada noutros anos.

Os incêndios florestais consumiram este ano mais de 38 mil hectares, cerca de 25.000 dos quais na última semana, a maior área ardida desde 2017, o ano da tragédia de Pedrógão Grande, segundos dados provisórios do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

O professor Paulo Fernandes sublinha que as contas da área ardida só podem ser feitas no fim.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+