Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

​Operação "Porta Aberta". Novas buscas na Comunidade Israelita do Porto

14 jul, 2022 - 17:08 • Ricardo Vieira

“No inquérito investigam-se, factos suscetíveis de enquadrar a prática dos crimes de corrupção, falsificação de documentos, branqueamento, fraude fiscal e tráfico de estupefacientes”, avança a Judiciária.

A+ / A-

A Polícia Judiciária realizou esta quinta-feira buscas no âmbito da operação “Porta Aberta”, que investiga a atribuição da nacionalidade portuguesa a descendentes de judeus sefarditas.

As buscas com vista à “execução de mandados de busca e apreensão” aconteceram na zona norte do país, avança a PJ, em comunicado.

O alvo foram "residências, escritórios de advogados e escritórios de contabilidade" e contaram com a intervenção de um juiz e de uma procuradora da República, refere a Judiciária.

A edição online do Jornal de Notícias adianta que a Comunidade Israelita do Porto é um dos alvos da operação “Porta Aberta”, iniciada em março.

As buscas pretendem “obter prova em novos locais entretanto identificados na investigação já desenvolvida”, refere a Judiciária.

“No inquérito investigam-se, factos suscetíveis de enquadrar a prática dos crimes de corrupção, falsificação de documentos, branqueamento, fraude fiscal e tráfico de influências”, segundo a PJ.

A Polícia Judiciária “prossegue as investigações, no sentido de esclarecer a natureza e a dimensão da atividade criminosa em investigação”.

Em março deste ano, o rabino da Comunidade Israelita do Porto foi constituído arguido e ficou sujeito a termo de identidade e residência.

Daniel Litvak, suspeito de ilegalidades na atribuição de descendência judaica para a obtenção de cidadania - nomeadamente ao oligarca russo Roman Abramovich - foi ouvido por um juiz, depois de ter sido detido pela Polícia Judiciária, quando se preparava para viajar para Israel.

Na altura, autoridades estiveram nas instalações da Sinagoga do Porto para interrogarem outros membros da direção do organismo, a quem foram atribuídas competências para certificar os descendentes de judeus sefarditas expulsos de Portugal no final do século XV.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+