Tempo
|
A+ / A-

Gripe, pandemia e calor. A "tempestade perfeita" que ajuda a explicar o junho mais mortal dos últimos 42 anos

14 jul, 2022 - 19:52

O secretário de Estado adjunto e da Saúde e a Diretora-Geral da Saúde convergem nas justificações para o junho com mais mortes em 42 anos, mas pedem mais tempo para analisar todos os fatores. A ministra Marta Temido garante que números vão ser "aprofundados".

A+ / A-

O secretário de Estado adjunto e da Saúde enumera "a gripe, a sexta vaga da Covid-19 e o calor" como os principais fatores que ajudam a justificar o junho mais mortal dos últimos 42 anos.

É a "tempestade perfeita", segundo o governante, que explica a análise da Renascença que aponta que, em junho de 2022, registaram-se 10.215 mortes em Portugal - uma subida de 26% face à média de mortes diárias entre 2009 e 2019.

Ouvida pela Renascença, a diretora-geral da Saúde também refere estes fatores, que foram registados durante o período de 9 de maio a 19 de junho.

Graça Freitas refere que ainda é preciso aguardar "para perceber se há mais alguma hipótese explicativa", para lá dos já identificados.

Já a ministra da Saúde garantiu que estes números serão "aprofundados".

"Estas análises para serem sérias demoram tempo. Temos de ter alguma prudência na forma como lemos os números", considera Marta Temido, questionada pela Renascença.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+