Tempo
|
A+ / A-

Montijo-Alcochete

Associação de Hotelaria "satisfeita" com tomada de decisão do Governo para novo aeroporto

29 jun, 2022 - 20:39 • Ana Carrilho com Redação

Bernardo Trindade referiu que esta solução "tem um horizonte temporal alargado" e é preciso ver se os prazos são cumpridos.

A+ / A-

O presidente da Associação de Hotelaria de Portugal (AHP) diz estar satisfeito com a solução Montijo-Alcochete para o novo aeroporto de Lisboa, sobretudo, porque o governo tomou uma decisão

Em declarações à Renascença, Bernardo Trindade frisou que os agentes económicos do turismo precisavam de uma resposta.

"Tudo o que passe por não recusar clientes por incapacidade aeroportuária é bom", apontou.

O presidente referiu que esta solução "tem um horizonte temporal alargado" e é preciso ver se os prazos são cumpridos.

Ainda serão precisos pelos menos quatro anos para o aeroporto do Montijo ficar operacional e até lá, são necessárias soluções porque a capacidade da Portela está a esgotar-se, ainda mais com a boa retoma do turismo que se faz sentir.

Sobre isso nada foi dito, indicou Bernardo Trindade, que aponta para a necessidade do governo autorizar a ANA a avançar com o alargamento da capacidade do aeroporto de Lisboa.

"O projeto passa por intervir em terra e aumentar o número de estacionamentos do aeroporto de Portela e monotorizar isso com a navegação aérea de acesso ao aeroporto de Lisboa. Por aí possamos ter algumas soluções", considerou.

Mesmo esse alargamento precisa de tempo para ser concretizado e, no imediato, o presidente da AHP defendeu que deve haver uma articulação com as companhias aéreas, de forma a preencher os fusos horários com menos procura, aliviando os que têm mais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+