Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Ex-ministro da Saúde alerta para “tempestade perfeita” no SNS

13 jun, 2022 - 13:23 • Teresa Almeida, com redação

Em declarações à Renascença, Adalberto Campos Fernandes fala num problema estrutural, que só pode ser resolvido com vontade política do Governo e da Assembleia da República e não com medidas paliativas.

A+ / A-

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) está a ser abalado por uma “tempestade perfeita” que o pode tornar um serviço para pobres, alerta Adalberto Campos Fernandes. Em declarações à Renascença, o antigo ministro da Saúde diz que está nas mãos do problema do Governo e da Assembleia da República inverter esta tendência.

A ministra da Saúde reúne-se esta segunda-feira, de emergência, com as administrações regionais de saúde e a Ordem dos Médicos. Marta Temido tenta encontrar soluções para os problemas que levaram ao encerramento de várias urgências, sobretudo de obstetrícia, um pouco por todo o país.

Um problema que, na opinião de Adalberto Campos Fernandes, é estrutural. Para o antigo ministro da Saúde de um Governo socialista, este é um assunto demasiado sério para ser unicamente da responsabilidade da atual ministra ou do atual Governo.

Adalberto Campos Fernandes diz que a responsabilidade é de todos os políticos - só assim se encontrará uma solução.

“Este não é o problema do ministro da Saúde que está de serviço. Claro que é problema do ministro da Saúde que está de serviço, porque tem responsabilidade política no momento, mas é um problema do Governo e da Assembleia da República”, argumenta.

“O Serviço Nacional de Saúde é um assunto demasiado sério para que nós o procuremos resolver anunciando mais um concurso, que os concursos não sejam preenchidos porque as pessoas não têm motivação para o fazer e que não olhemos para a questão do projeto profissional e para as condições do exercício profissional dentro do sistema e do serviço público como tem de ser olhado”, defende Adalberto Campos Fernandes.

“Não há sem o envolvimento integral, político, de todo o Governo e da Assembleia da República e sem que se assuma claramente que este é um problema que põe em causa a sobrevivência do Serviço Nacional de Saúde como nós o desenhámos e queremos que ele exista, é estar a fazer mais do mesmo e vamos andar nisto mais um, dois, três ou quatro anos”. adverte.

Adalberto Campos Fernandes defende a aposta na valorização da carreira médica e na criação de condições para os profissionais poderem trabalhar no SNS, mas a solução não passa apenas por melhores salários.

“O Estado nunca terá condições de ser competitivo em termos salariais com os valores que o setor privado paga. Os médicos têm dito que a revalorização profissional é um imperativo, mas há um projeto de vida que tem que ver com a forma como o trabalho é exercido, como a capacidade de tempo para investigar”, defende o antigo ministro da Saúde.

Os médicos e os profissionais de saúde não podem ser olhados como “adversários ou inimigos” e é preciso tentar compreender os seus anseios e problemas, sublinha.

“A vida num hospital público pressupõe que há trabalho de equipa, que há motivação para ensinar, para investigar, para formar internos e foi isso que foi sempre o cimento da qualidade do SNS e da prática médica em Portugal. Projeto de vida e projeto de carreira que não tem nada a ver com esta ideia peregrina da dedicação exclusiva administrativa, imposta à força. Transitando para cima dos médicos um ónus inaceitável, porque os médicos quando hoje estão a trabalhar no SNS já têm obrigações como qualquer agente público.”

Para Adalberto Campos Fernandes, está criada a tempestade perfeita para tornar o SNS um serviço para pobres.

“O risco pode estar em o SNS se transformar num serviço para pobres, idosos ou imigrantes, e a classe média abandonar o SNS. E, por outro lado, isso se transforme num círculo vicioso, porque a vitalidade do sistema perde-se, os serviços tornam-se muito dependentes das urgências, hoje em dia as urgências consomem e corroem o funcionamento normal do sistema de saúde, o trabalho através das empresas aumentou de forma escalar. Nós temos os ingredientes de uma tempestade perfeita. Vamos a tempo de inverter esta situação? Acredito que sim.”

No entanto, para este especialista, se houver vontade de todos, ainda há tempo para remediar o que está mal.

“Hoje temos um SNS que não é o sonhado por António Arnaut. Hoje temos um sistema de saúde misto, com um peso muito significativo do setor privado e social. Será alguma coisa diferente, mas o SNS tem que ser o padrão, a referência, aquilo onde estão sediadas as melhores práticas, os melhores exemplos, a segurança clínica, a formação dos profissionais e isso só não se faz se não houver vontade política para ser feito”, sublinha Adalberto Campos Fernandes.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joé António
    13 jun, 2022 Benavente 17:49
    O SNS já existia antes do 25 de Abril de 1974, agora é que Eu não tenho Médico de Saúde.

Destaques V+