Tempo
|
A+ / A-

Atropelamento na A6

Ministério Público confirma: ex-ministro Eduardo Cabrita constituído arguido

14 jan, 2022 - 12:03 • Lusa com redação

Antigo governante deve ser constituído arguido por suspeitas do crime de homicídio negligente por omissão.

A+ / A-

O ex-ministro Eduardo Cabrita e o "responsável pela segurança da comitiva" vão ser constituídos arguido no processo do atropelamento mortal na A6, segundo o despacho do diretor do DIAP de Évora que reabriu o inquérito.

No despacho, a que a agência Lusa teve acesso, o diretor do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Évora, José Carlos Laia Franco, determina esta constituição como arguidos.

"Importará, previamente, com todas as consequências legais processuais que lhe são inerentes", proceder "à constituição formal como arguidos daqueles dois indivíduos", pode ler-se.

Na quinta-feira a CNN Portugal e a TVI avançavam que o Ministério Público determinou a reabertura do inquérito no caso do sinistro na A6, para investigar a conduta do antigo governante.

No dia 3 de dezembro de 2021, o Ministério Público (MP) deduziu acusação, requerendo o julgamento por tribunal singular, contra o motorista do carro onde seguia o ex-ministro e que atropelou mortalmente o trabalhador na A6, imputando-lhe a prática de um crime de homicídio por negligência e duas contraordenações.

No mesmo dia, Eduardo Cabrita demitiu-se do cargo de ministro da Administração Interna.

De acordo com o despacho de acusação, a 18 de junho, a viatura do ex-ministro seguia em comitiva, na A6, com mais dois veículos, quando atropelou mortalmente Nuno Santos, um dos funcionários de uma empresa que realizava trabalhos de manutenção naquela via, ao quilómetro 77,600, no sentido Este/Oeste (Caia/Marateca).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    16 jan, 2022 Porto 19:09
    «Um Estado que não se regesse segundo a justiça, reduzir-se-ia a um bando de ladrões» Agostinho de Hipona (354-430).

Destaques V+