Tempo
|
A+ / A-

Conselho de Defesa dá voto de louvor às Forças Armadas por missões no estrangeiro

26 nov, 2021 - 18:23 • Susana Madureira Martins

O Conselho Superior de Defesa Nacional reuniu-se esta sexta-feira por videoconferência para fazer um "ponto de situação sobre as Forças Nacionais Destacadas em 2021", com a nota informativa sobre a reunião a ser omissa sobre a polémica em torno dos militares portugueses envolvidos em alegado tráfico de diamantes, ouro e droga na República Centro Africana

A+ / A-

Tratou-se de uma sessão ordinária do Conselho de Defesa Nacional, numa reunião por videoconferência presidida pelo Presidente da República e que teve como objectivo, segundo a nota informativa disponível no endereço na internet da presidência, "inteirar do ponto de situação sobre as Forças Nacionais Destacadas em 2021, e apreciar as propostas das Forças Nacionais Destacadas para 2022".

Fica claro que a reunião serviu para fazer um balanço sobre as missões dos militares portugueses no estrangeiro, mas a nota é completamente omissa sobre a Operação Míriade, polémica que estalou há umas semanas em torno do alegado tráfico de diamantes, ouro e droga na República Centro Africana e que envolve antigos e actuais elementos das Forças Armadas a actuar naquele país.

Na nota divulgada pela Presidência da República lê-se que "o Conselho deu parecer favorável, por unanimidade, aos ajustamentos de Forças para 2021 e ao conjunto das propostas das Forças Nacionais Destacadas para 2022, nomeadamente para as que têm financiamento assegurado", sem qualquer referência sobre o conteúdo dessas propostas.

Foi dado ainda "parecer favorável condicional, para as propostas pendentes de financiamento para Forças Nacionais Destacadas em 2022", também sem serem referidas quais, ficando ainda por saber o porquê de o parecer favorável se manter "condicional".

No meio de diversas polémicas que envolvem o ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, nomeadamente por ter omitido aos principais órgãos de soberania a questão que envolve os militares portugueses na República Centro Africana ou por ter feito aprovar legislação que altera a orgânica dos militares, Marcelo Rebelo de Sousa quis dar mais um sinal ao sector fazendo o Conselho de Defesa aprovar "por unanimidade" um voto de louvor às Forças Armadas "pelo seu desempenho" nas Forças Nacionais Destacadas.

Tendo a Operação Miríade como pano de fundo - e que envolve os militares portugueses na República Centro Africana - o Presidente da República e chefe supremo das Forças Armadas reforça assim aquilo que tem vindo a defender desde que o caso estalou, ou seja, que o caso "não afeta a boa reputação das Forças Armadas portuguesas em missões internacionais".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+