Tempo
|
A+ / A-

Sampaio “nasceu para ser um lutador”, diz Marcelo

10 set, 2021 - 11:17 • Marta Grosso

Do “furacão ruivo” à “serenidade de um grande senhor”. O Presidente da República recordou os momentos da vida de Jorge Sampaio, que morreu nesta sexta-feira aos 81 anos.

A+ / A-

Veja também:


“Nasceu para ser um lutador e a causa da sua luta foi uma: a liberdade na igualdade”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa numa comunicação aos jornalistas, nesta sexta-feira, dia em que morreu Jorge Sampaio.

“Lutado, mas serenamente nos deixou, como sereno foi o seu testemunho de vida ao serviço da liberdade e da igualdade; como sereno foi na sua luminosa inteligência, na sua profunda sensibilidade, na sua paciente mas porfiada coragem”, afirmou ainda.

Numa comunicação sem direito a perguntas, Marcelo Rebelo de Sousa realçou o caminho político de Sampaio, um homem que podia ter-se “resignado ao mais fácil”, mantendo-se como “jurista prestigiado”, mas que “escolheu o caminho mais ingrato da solidariedade com os que mais sofriam, da privação da sua saúde frágil em exaustivos labores”.

Destacou depois momentos importantes da sua carreira, desde os tempos dos movimentos estudantis, o “furacão ruivo na alameda da Universidade de Lisboa em 1962”, até à “prestigiada Presidência” – durante a qual lançou a Cimeira de Arraiolos e criou a COTEC – passando pela “madrugada da libertação dos presos em Caxias”, depois do 25 de Abril, e pela “travessia de bairros de lata na capital que conseguiu extinguir”.

E ainda o seu papel na libertação de Timor-Leste e a oposição à intervenção no Iraque.

Era “um homem bom”, vincou Marcelo.

“Jorge Sampaio deixou-nos hoje com um duplo legado. Duplo, porque feito de liberdade, mas também de igualdade; porque feito de inteligência, mas também de sensibilidade; porque provou que se pode nascer privilegiado e converter a vida na batalha dos mais desprivilegiados”.

O Presidente reforçou por fim a serenidade do antigo chefe de Estado, “aquela serenidade que une a força das convicções ao respeito por cada um e por todos os demais. A corajosa serenidade de um grande senhor da nossa democracia e da nossa pátria comum”.

Jorge Sampaio morreu nesta sexta-feira aos 81 anos.

Jorge Sampaio. Da luta política à defesa dos direitos humanos
Jorge Sampaio. Da luta política à defesa dos direitos humanos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    10 set, 2021 Madeira 12:39
    Um homem bom. Amigo das regiões ultraperiféricas.

Destaques V+