Tempo
|
A+ / A-

Universidade de Évora vai receber 10 mulheres afegãs

25 ago, 2021 - 11:36 • Rosário Silva

A academia alentejana justifica a decisão com a atual crise humanitária que se vive no Afeganistão. “É impossível ficarmos indiferentes”, diz a reitora Ana Costa Freitas, para quem “o direito à educação tem de ser salvaguardado”.

A+ / A-

A Universidade de Évora (UÉ) anunciou nesta quarta-feira que vai disponibilizar “dez posições para trabalhadoras afegãs” e permitir o acesso, “em fase de ingresso excecional, desde que acordado com a tutela”, a estudantes afegãos que pretendam prosseguir os estudos de ensino superior em Portugal.

Em comunicado enviado à Renascença, a instituição justifica a decisão com a atual crise humanitária no Afeganistão. “É impossível ficarmos indiferentes ao sofrimento do povo afegão e, muito concretamente, das mulheres afegãs”, refere a reitora da UÉ, citada na nota.

Para Ana Costa Freitas, “a proteção dos Direitos Humanos, como o direito à educação, têm de ser salvaguardados e, enquanto dirigente de uma instituição de ensino superior, cuja missão é produzir e transmitir conhecimento, não posso deixar de sentir que temos, de alguma forma, e na medida das nossas possibilidades, contribuir ativamente.”

A iniciativa já foi transmitida ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e está, de momento, a ser articulada com o Ministério dos Negócios Estrangeiros. A instituição espera que sejam conhecidas dentro de pouco tempo “as questões práticas relacionadas com o enquadramento político, institucional e legal da iniciativa.”

A reitora sublinha, ainda, que esta decisão está “alinhada com os valores da instituição”, citando, nomeadamente “o respeito pela dignidade humana e a ausência de discriminação social, étnica ou confessional”.

A iniciativa conta, igualmente, com o apoio de outras instituições, entre as quais a Direção Regional de Cultura do Alentejo, "no sentido de se conseguir alojamento para uma fase de acolhimento''.

Recorde-se que já em 2015, no contexto da crise na Síria, a UÉ recebeu um grupo de estudantes oriundos daquele país. Na altura, foram apoiados, na totalidade, através da Plataforma Global de Assistência a Estudantes Sírios, criada por Jorge Sampaio em 2013, cerca de três dezenas de estudantes universitários sírios que prosseguiram os seus estudos em instituições de ensino superior portuguesas.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    25 ago, 2021 Madeira 11:04
    E bem. O interior precisa de gente e portuguesa é a pessoa que ama Portugal, nascer cá, não chega.

Destaques V+