Tempo
|
A+ / A-

Estudantes sírios em Évora. “Este é o melhor sítio do mundo para estudar”

01 nov, 2016 - 09:00 • Rosário Silva

Os sírios Ramez, Rodwan, Nour e Israa estudam em Évora. Estão longe das famílias por causa da guerra, “estúpida” e longa, mas sonham voltar à Síria para a reconstruir.

A+ / A-

Veja também:


Ramez Aldwihe está há um ano em Portugal, mas há dois que deixou a Síria. Frequenta o mestrado em Engenharia Informática da Universidade de Évora, depois de ter passado por uma universidade em Istambul. Através da internet tomou contacto com a Plataforma Global de Apoio aos Estudantes Sírios, criada pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio. Candidatou-se a uma bolsa de estudo e, em pouco tempo, mudou-se para Portugal.

“As pessoas são muito simpáticas e fazem-me sentir em família”, conta Ramez, que classifica de “belíssima” a experiência que está a ter em Évora onde já tem “muitos amigos e de várias nacionalidades”. Esta terça-feira é Dia da Universidade de Évora.

Espera que a guerra na Síria “termine muito em breve” para que ele, juntamente com outros, possam regressar para “libertar” o país. “Estou a fazer o meu melhor para realizar este sonho e espero que todos nos ajudem a acabar com esta guerra estúpida que já dura há cinco anos.”

Rodwan Bakkar Deyab, colega de mestrado, desde 2014 em Portugal, tem o mesmo desejo. Rodwan estudou Informática durante cinco anos, na Síria, onde não conseguiu prosseguir os estudos.

“Por causa da guerra fui para o Egipto e fiquei lá um ano. Foi um ano duro e não consegui estudar por isso fui para a Turquia, mas a língua turca é difícil e as coisas complicaram-se”, refere.

À semelhança de Ramez, Rodwan também chegou a Évora por via da parceria que a universidade firmou com a plataforma dos estudantes sírios.

“Este é o melhor sítio do mundo para estudar”, conta. “Estou muito feliz por aqui estar. Évora é uma cidade calma, bonita, onde já tenho muitos amigos sempre prontos a ajudar-me”, revela o jovem sírio, estudante de Engenharia Informática.

Estudar num “sítio seguro”

Também Israa Aikahwaji destaca a entreajuda que tem encontrado em Portugal onde chegou há dois anos. Frequenta o mestrado em Arquitectura Paisagista. O percurso “não tem sido fácil”, mas procura “ultrapassar os desafios olhando-os como uma oportunidade”.

Os amigos ajudam a superar as dificuldades e a “enfrentar o futuro com esperança”, diz Israa. “Poder estudar num sítio seguro e fazer com que as nossas famílias se orgulhem de nós” é um desafio para a arquitecta que espera, um dia, “voltar mais forte para a Síria com muita vontade de reconstruir o país”.

A mesma vontade demonstra Mohammad Nour Machlah, sírio que frequenta o mestrado integrado em Arquitectura na Universidade de Évora.

Antes de chegar a Portugal, onde está também há dois anos, procurou outros países para prosseguir os estudos. Apesar de ter sido aceite nalgumas universidades, garante, a sua nacionalidade impediu que se viabilizasse a partida. Passou pela Turquia, mas não ficou por causa da língua. A plataforma de estudantes sírios havia de o trazer para Portugal.

“Abriu-se uma grande porta na minha vida”, confessa. A sensação foi de “felicidade” por poder prosseguir os estudos e de “aventura pela oportunidade de conhecer uma nova cultura”.

“As pessoas sabem muito pouco sobre nós e é minha obrigação explicar aos meus amigos, como vivemos”, diz Nour, que já se sente em casa.

“Não é como na Síria, mas esta é também a minha casa e a minha família, algo que precisava na minha vida. Não foi algo que eu tivesse escolhido. Tive de sair do meu país, mas estou grato a todos os que me estão a ajudar. É este o espírito de Portugal”, refere o arquitecto. Tal como os colegas, quer um dia regressar às origens.

Falta apoio internacional

Lançada em 2013, por iniciativa de Jorge Sampaio, a Plataforma Global de Apoio aos Estudantes Sírios consiste num programa de bolsas de estudo de emergência que enquadrou já três vagas sucessivas de estudantes do ensino superior. Actualmente encontram-se em Portugal cerca de 100 bolseiros e cerca de cinco dezenas em outros nove países.

Recentemente, num debate na Universidade de Évora e em conversa com os estudantes, o antigo chefe de Estado lembrou que o fenómeno dos refugiados “não vai abrandar, tem uma dimensão global e atinge proporções verdadeiramente inauditas”.

Jorge Sampaio defendeu respostas eficazes a este fenómeno que “não podem ser de natureza puramente imediatista, nem revestir um simples carácter provisório”.

Uma dessas vias é pela educação e por permitir o acesso ao ensino superior aos estudantes da Síria, país em que “25% dos jovens” que concluía o secundário entrava na universidade, antes da guerra, enquanto, agora, “apenas 1% dos refugiados é admitido no ensino superior”.

“Se nada se fizer, haverá gerações inteiras perdidas no que respeita aos diplomados universitários”, alertou, insistindo na necessidade de criar um mecanismo de resposta rápida para jovens em situações de emergência que frequentem o ensino superior – medida que já propôs, nas Nações Unidas, em Nova Iorque, num encontro à margem da Cimeira dos Refugiados e Migrantes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Afonso Henriques
    05 nov, 2016 Porto 03:42
    Aqui os comentários dividem-se entre patriotas e traidores....escusado será dizer quais são os traidores e quais são os patriotas...acho que qualquer pessoa com o minimo de inteligência chega rapidamente à conclusão.
  • Português
    04 nov, 2016 Setúbal 18:49
    A pouca vergonha é do lado do 'portuguesinho' mesquinho e ignorante, que não vê que as universidades portuguesas estão cheias de supostos estudantes portugueses que fazem de tudo menos estudar: embebedam-se, drogam-se, só querem festas e trabalhar está quieto! Pois é muito bom que se acolha quem precisa e que assim continue a ser!
  • Estupefacção!
    04 nov, 2016 lisboa 03:02
    O escândalo continua!... Tiram dos Portugueses para dar aos de fora...até quando irá durar esta festa? Mas será que ninguém põe termo a esta pouca vergonha?... Tudo para os estrangeiros!... Nada para os Portugueses!... Se foi para isto que fizeram o 25 de Abril mais valia estarem quietos... O Salazar ao menos cuidava do seu povo e enaltecia-o ao contrário desta corja de apátridas! E ainda têm a lata de abrir as nauseabundas cloacas para falar de patriotas que falam como nós!... O que é que estas peçonhas mereciam?... Eu sei mas não digo...
  • Luís Nata
    03 nov, 2016 Estarreja 17:50
    Para os que aqui comentam e odeiam que em Portugal se consiga dar apoio a quem precisa: Emigrem e naturalizem-se noutra nacionalidade qualquer, porque vocês envergonham Portugal.
  • A pouca vergonha
    02 nov, 2016 lisboa 15:14
    Isto é incrível!... Num País onde existe a maior taxa de abandono escolar da europa, onde os nossos jovens são obrigados a abandonar os seus cursos na Universidade por falta de apoios financeiros, vêm estes tipos lá de "cascos de rolha" que nem Português sabem falar, e pagam-lhes tudo...cursos na universidade, habitação, subsidios,etc....uma alegria!...e tudo com os nossos impostos! Isto é uma pouca vergonha!!! Os nossos políticos traidores são como aquela "mãe" que tira da boca dos filhos para dar aos de fora!... Ajudar?... Sim! Mas só quando sobra!...Nunca quando falta!
  • pois,pois
    02 nov, 2016 jardim das tabuletas 10:30
    Coitados, eles estão muito felizes mas é só por poderem estudar e de estar em segurança, mas para fazer uma vida, nem pensar. Depois querem voltar para as suas origens, quando acabar a guerra. Assim qualquer um diz o mesmo. Mas gostam tanto de portugal que estão inquietos que acabe a guerra estúpida, e nisto têm razão, depois querem ir reconstruir o seu país, e porque não lutam eles pelo seu país? Ou será que os outros países é que têm de mandar as suas gentes para enfrentar a morte e combater por eles? Esta dá mesmo que pensar. Claro que se percebe que o futuro neste país é um bocado negro. Isto já virou como a fome do tempo do salazar ou pior. Trabalhos nem vê-los, os que existem o que pagam não dá para as despesas. Só doutorados, gestores, políticos e empresários é que se enchem bem de dinheiro, os outros que se danem e que passem fome. Eles às tantas já vêm que mesmo com os cursos depois ainda podem ficar desempregados. Este país nunca mais se levanta nesta u.europeia, só não vê quem não quer.
  • Costa
    01 nov, 2016 Faro 12:06
    Fico feliz que se sintam bem por Portugal, que tudo lhes corra bem.
  • tuga
    01 nov, 2016 lisboa 11:07
    Para os portugueses há cortes na educação!! depois vem esta nojenta palhaçada!!! Isto é revoltante!!! Esta notícia é uma intoxicação àss mentes!!!

Destaques V+