Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19

Vacinação dos 12 aos 15. "Pressão do poder político" ou decisão "natural e lógica"?

11 ago, 2021 - 06:30 • João Malheiro

Enfermeiros e médicos de saúde pública dividem-se. A bastonária Ana Rita Cavaco considera que não há evidência científica "suficiente" para justificar o parecer da DGS e lamenta decisão tomada por "pressão do poder político". Gustavo Tato-Borges, vice-presidente da Associação dos Médicos de Saúde Pública, fala de decisão "perfeitamente natural e lógica" e lamenta o ruído à volta da matéria, em particular as posições manifestadas pelo Presidente da República.

A+ / A-

Veja também:


A bastonária da Ordem dos Enfermeiros critica o parecer favorável da Direção-Geral de Saúde (DGS) à vacinação de crianças entre os 12 e os 15 anos.

Em entrevista à Renascença, Ana Rita Cavaco diz manter a posição anterior, de 30 de julho, segundo a qual "não existem estudos suficientes, com evidência técnico-científica suficiente" para justificar a decisão da DGS.

"As decisões da vacinação não se tomam com base em anos letivos. "Para nós não faz sentido esta decisão, é uma decisão com base na pressão do poder político. O senhor primeiro-ministro é quem manda no país, é ele que decide, é ele que assume o risco", acrescenta.

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros entende que os argumentos apresentados no parecer da DGS, "já eram conhecidos" e questiona por que razão o presidente da Mesa do Colégio da Especialidade de Enfermagem de Saúde Infantil e Pediátrica não foi convocado para esta decisão.

"Nem sabemos que parecer é que foi feito, sendo que o nosso representante não foi consultado", afirmou.

Dados científicos demonstram "mais-valia da vacinação dos jovens"

Diferente é a leitura dos médicos de Saúde Pública. Gustavo Tato-Borges fala de uma decisão que "é perfeitamente natural e lógica".

"A Agência Europeia do Medicamento já aprovou vacinas para esta faixa etária e os dados científicos têm demonstrado a mais-valia da vacinação para os jovens", diz à Renascença o vice-presidente da Associação dos Médicos de Saúde Pública (ANMSP).

Para Tato-Borges, a nova norma da DGS "é mais simples que a anterior" e que vai "acalmar a burocracia e a dificuldade do acesso à vacina".

Questionado sobre o efeito da pressão política no parecer da autoridade sanitária, o vice-presidente da ANMSP considera que "a decisão não foi motivada por pressões externas, mas sim uma decisão técnica".

No entanto, Gustavo Tato Borges admite que "houve ruído à volta desta questão" e que foi o "alarido que trouxe estas dúvidas".

PR devia ser "mais contido" nos comentários

Num recado ao Presidente da República, que insistiu na importância de estender a vacinação às crianças entre os 12 e os 15 anos, quando a DGS ainda não tinha uma decisão sobre a matéria, o médico alerta que "é preciso deixar as instituições trabalhar".

"Teria sido desejável que houvesse menos ruído à volta desta questão e que menos pessoas com relevo na sociedade se tivessem pronunciado. O senhor Presidente da República é uma pessoa com muita cultura, com muita capacidade, mas precisava de ser um pouco mais contido em alguns comentários que faz sobre questões técnicas nas quais o senhor Presidente da República não tem conhecimento para opinar", conclui Tato-Borges.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+