Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Ativistas do Climáximo obrigadas a despir-se avançam com queixa-crime contra PSP

20 jul, 2021 - 14:40 • Hélio Carvalho

Segundo a porta-voz do coletivo, as 19 ativistas detidas na esquadra dos Olivais, em Lisboa, foram intimidadas e "forçadas à nudez" para provar que não constituíam uma ameaça.

A+ / A-

O coletivo ambientalista Climáximo anunciou esta terça-feira que vai apresentar queixa-crime ao Ministério Público contra a atuação de agentes da PSP na esquadra dos Olivais, em Lisboa. Segundo o coletivo, 19 mulheres ativistas foram obrigadas a despir-se por agentes depois de serem detidas, após uma manifestação pacífica a 22 de maio na rotunda do Aeroporto de Lisboa.

Em maio, o movimento já se tinha queixado de maus tratos na esquadra e alegaram que as ativistas mulheres foram tratadas de forma diferenciada dos homens.

No comunicado desta terça-feira, o Climáximo, e os coletivos feministas que se juntam à queixa, acusa a PSP de fazerem "revistas injustificadas, tendo as mulheres sido forçadas à nudez (nalguns casos, sem roupa interior), e algumas sido obrigadas a agachar-se para provar que não constituíam uma ameaça."

Contactada pela Renascença, a porta-voz do Climáximo, Inês Teles, diz que os agentes não apresentaram qualquer justificação para as revistas e que tiveram o único objetivo de intimidar as ativistas.

No início de junho, depois do coletivo ter inicialmente denunciado as revistas às ativistas detidas, a PSP desmentiu o sucedido e considerou-o "absurdo".

Inês Teles contou ainda à Renascença que a queixa-crime só avançou agora pela sensibilidade do assunto e que ficaram a aguardar por uma resposta por parte do comandante da esquadra dos Olivais, que "negou qualquer incumprimento por parte da polícia".

"Também não avançamos de imediato porque várias pessoas foram detidas e a situação é bastante delicada, não queríamos avançar com isto sem ter a certeza que todas as pessoas estavam confortáveis com a exposição mais pública", acrescentou a porta-voz.

No comunicado, denuncia-se ainda "o choque entre a ação não violenta das ativistas e a violência a que a polícia submeteu os seus corpos", o que, para o Climáximo, "torna evidente o conflito entre aqueles que lutam por um futuro digno num planeta habitável e aqueles que defendem o sistema que destrói ativamente esse futuro."

No protesto em questão, na tarde do dia 22 de maio, foram detidos 26 ativistas entre os 17 e os 28 anos por crimes contra a paz pública e contra a segurança das comunicações.

Após as detenções, os ativistas foram levados para a esquadra de Olivais Sul, de onde saíram "a conta gotas" até às 02h00 da madrugada.

O protesto consistiu numa ação de desobediência civil e pacífica, com o objetivo de travar o trânsito na principal rotunda de acesso ao Aeroporto Humberto Delgado e protestar contra o tráfego aéreo. O coletivo ambientalista exige "justiça climática, menos aviões, uma transição justa para os trabalhadores do setor da aviação e mais ferrovia".

Foi a segunda ação de desobediência civil no espaço de alguns meses, depois do Climáximo ter travado também o trânsito na rotunda do Marquês de Pombal para exigir medidas ambientais mais fortes para combater a crise climática.

O Climáximo promete, apesar das detenções, voltar a sair à rua no outono "para bloquear uma infraestrutura das maiores emissoras de gases com efeito de estufa em Portugal."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuel Fernandes
    20 jul, 2021 Lisboa 21:30
    "Não há câmaras a filmar o que se passa dentro das esquadras? Então Elas que provem o que dizem, pois de contrário não passa de Mera falácia, cavalgando a época de feminismo radical em que vivemos, em que até dizer "bom dia" é considerado assédio. E se não provam, então é agir contra elas com todo o peso da Lei." Só dislates. Que tem o feminismo radical a ver com esta notícia? Agir contra elas a propósito de quê? Se as obrigaram a ficar nuas e se não conseguem provar isso porque não havia câmaras, se calhar de propósito., para impedir que a Justiça veja estas vergonhas que se passam em certas esquadras, eu apoio a 100% esta medida. O autor do infeliz comentário entre aspas em vez de defender que defende o planeta e é mais vulnerável, por ser do sexo feminino, defende quem usou a força. Os poucos neurónios que tem não dão para mais.
  • Provem-no
    20 jul, 2021 Agora aqui 14:32
    Não há câmaras a filmar o que se passa dentro das esquadras? Então Elas que provem o que dizem, pois de contrário não passa de Mera falácia, cavalgando a época de feminismo radical em que vivemos, em que até dizer "bom dia" é considerado assédio. E se não provam, então é agir contra elas com todo o peso da Lei.

Destaques V+